O delegado Alessandro Thiers foi exonerado do cargo de titular da DRCI, a Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática. A exoneração ocorreu depois do caso estupro coletivo de uma menina de 16 anos que chocou o Brasil e no mundo. Policiais foram avisados na noite desta terça-feira, 07, sobre a mudança. A informação foi confirmada pelo jornal Extra. O #Crime que ocorreu no Morro do Barão, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, agora está sendo investigado pela delega Cristiana Bento.

A delegada, que representa a Dcav, Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima, mal pegou o caso e já disse ter certeza que o estupro ocorreu.

Publicidade
Publicidade

Em poucos dias, os primeiros suspeitos foram presos. Nesse fim de semana, um novo vídeo foi encontrado do celular de Raí de Souza, autor do primeiro vídeo que ganhou as redes sociais. As imagens mostram a menor de idade tendo relações sexuais com vários homens e pedindo para que eles parassem de realizar a ação. A garota teria sido estuprada por dois dias, durante 30 horas. Usuária de drogas, ele trocaria o corpo por entorpecentes.

Pela legislação brasileira, quando a vítima está sob efeito de álcool ou drogas, elas é dada como incapaz. Nesse caso, o estupro também fica configurado. No lugar de Alessandro Thiers, quem entra é Daliela Terra. A delegada comandada o Distrito de Realengo. De acordo com a Polícia Civil, Alessandro entregou o cargo. Ele polemizou depois que o Extra publicou supostas mensagens trocadas através de um aplicativo de celular. 

Na conversa, o delegado mostrava-se descrente sobre a possibilidade de estupro coletivo.

Publicidade

A adolescente também chegou a reclamar em entrevistas que Alessandro teria sido "machista". Durante um dos depoimentos dados por ela, o profissional estaria trocando carícias com a namorada. O profissional era um dos mais conhecidos da unidade da Cidade da Polícia, no Jacarezinho, tento trabalhado em inúmeros casos importantes. O destino dele não foi publicado pelo Extra.

Atualmente, a vítima de estupro, que diz ter sido violentada por 33 homens, vive em outro estado. Ela saiu do Rio de Janeiro após receber ameças do Morro do Barão. #Investigação Criminal