O deputado federal Rogério Marinho, eleito pelo PSDB do Rio Grande do Norte, deu uma aula de democracia e cidadania aos sindicalistas do Partido dos Trabalhadores (PT) nesta terça-feira, 31 de maio. Ele criticou duramente a postura dos movimentos sociais, questionando a legitimidade desses, durante seminário sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), na Comissão de Educação da Câmara dos deputados. O deputado federal começa chamando os petistas sindicalizados de pelegos por defenderem uma pauta corporativista e sobreviverem com dinheiro do próprio governo federal. 

"Movimentos pelegos sim porque recebem dinheiro do #Governo federal.

Publicidade
Publicidade

Transformaram-se em puxadinhos do governo. São detentores de uma lógica marxista que já deveriam ser varridos do lixo da história", disse o parlamentar durante o discurso acompanhado por manifestantes, que a todo tempo gritavam contra o que era falado na Comissão. "Isso é ilegal, inconstitucional e imoral", continuou a destilar sua opinião, relatando que o pensamento da esquerda petista não era o da maior parte dos brasileiros, mas que tentam colocar isso "goela abaixo". 

Os projetos da educação, de acordo com o deputado, deveriam ser discutidos ali, na Câmara dos deputados. Ele lembrou que processos de mudança na educação em diversos países chegaram a durar de oito a dez anos. Em seguida, ele lembrou que a maior parte das pesquisas dá conta que a educação no Brasil é de péssima qualidade, "Eu espero que o corporativismo sindical - que faz parte do pacto da mediocridade, que é contra o mérito, que não permite avaliar professores e condena brasileiros a serem subcidadãos - não faça travar o futuro", continuou o parlamentar.

Publicidade

Ele ainda citou o fato de brasileiros (em grande percentual) não conseguirem sequer interpretar um texto de dez linhas. "Vocês não vão me calar. Sem atitudes fascistas. Fascistas são vocês", continuou o deputado dizendo que dialogaria com qualquer movimento. "Vocês vão chorar muito", ironizou ele.

Veja o vídeo com o momento da confusão na Comissão de Educação da Câmara:

#PT