A presidente Dilma Rousseff vai completar um mês fora do poder. O Senador federal votou no dia 12 pelo seu afastamento e a cada dia uma nova votação fica mais próxima. Essa dirá se a petista será ou não deposta. Em entrevista publicada no site 'Diário do Poder' neste domingo, 05, o deputado federal Paulo Foletto, líder do PSB e eleito pelo Espírito Santo, polemizou. De acordo com ele, a companheira política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é "incompetente para governar" o país.

Questionado sobre o que tem achado desse início de jornada do presidente em exercício Michel Temer, o deputado revelou que tem satisfação e que as medidas iniciais tem agradado, com um adendo.

Publicidade
Publicidade

Paulo Foletto não aprova o pato de reajuste dado aos servidores públicos, lembrando que o país enfrenta uma grave crise e que esse valor significa mais R$ 58 bilhões até o ano de 2019. Para ele, agora não era hora de fazer a mudança nas faixas salariais. 

Já sobre os nomes da equipe de Temer flagrados em escutas conversando com o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, nas quais diálogos capciosos derrubaram dois Ministros, o deputado lembra que, infelizmente, esse é um triste retrato da política brasileira, que não vem se renovando como o que o povo vem solicitando. O parlamentar foi um dos 367 nomes que votou no dia 17 de abril pelo afastamento da líder petista. O voto dele garantiu que a votação fosse ao Senado e pode agora levar à inelegibilidade de Dilma nos próximos oito anos.

Neste domingo, a presidente usou as redes sociais para criticar a imprensa, que estaria publicando mentiras sobre ela.

Publicidade

Ela falava a respeito da repercussão de supostos depoimentos do empresário Marcelo Odebrecht à Lava Jato. De acordo com a revista Veja, Odebrecht disse que Dilma foi pessoalmente conversar com ele pedindo dinheiro para caixa dois de sua campanha eleitoral de 2014.

Um vídeo publicado nas redes sociais exibe o que seria Dilma sendo vaiada saindo de um restaurante de São Paulo. As imagens ainda não foram confirmadas.  #Governo #Dilma Rousseff