Dilma Rousseff não irá se defender pessoalmente na Comissão do impeachment. A informação foi confirmada nesta quinta-feira, 30, pelo jornal 'Folha de São Paulo'. A presença da representante do Partido dos Trabalhadores (PT) era esperada para o próximo dia 06, mas quem deve ir no lugar da companheira política do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva é o seu advogado de defesa, o ex-Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. A decisão de Dilma não surpreende, mas já foi alvo de críticas. Isso porque o tempo todo ela se diz vítima de um "golpe parlamentar", mas na hora que tem a oportunidade de se defender, simplesmente não aparece. 

A escolha de Dilma, de certa forma, frustra até mesmo os petistas.

Publicidade
Publicidade

Isso porque a presença de Dilma na comissão do impeachment chamaria muita atenção e o clima poderia ser favorável à ela, desde que sua defesa seja contundente. O problema é que Rousseff conhece sua dificuldade na hora de fazer uma boa retórica. As sessões da Comissão do impeachment, como temos visto, são marcadas por muita bagunça, gente gritando, é e claro, com ambos os lados querendo estar certos. 

Temendo a possibilidade de ser ridicularizada ou até confessando o crime de que é acusada, o de responsabilidade fiscal, Dilma optou por não ir. É bom lembrar que a presidente afastada não era obrigada a estar nessa reunião. Não está afastado, no entanto, segundo aliados disseram à 'Folha de São Paulo', um discurso da presidente no Plenário. É preciso lembrar que para que esse ocorra será necessária uma aprovação do presidente da casa, Renan Calheiros, do PMDB.

Publicidade

Isso não deve ser um problema, já que os dois tinham uma relação bastante estreita até o início do processo de impeachment. 

A relação entre Renan e Dilma só começou a minguar quando o PMDB viu que tinha real possibilidade de ficar com a presidência e governar o Brasil. Apesar disso, ambos tem tentado deixar as diferenças para trás e evitar perdas no jogo político, afinal, quem sabe, amanhã os dois não possam novamente ser velhos amigos, não é verdade?  #PT #Dilma Rousseff