Na noite desta segunda-feira, 06, a TV Brasil exibiria uma entrevista com a presidente afastada Dilma Rousseff. O material foi gravado, mas não irá ao ar. Pelo menos não agora. O anúncio foi feito pelo colunista Lauro Jardim, do jornal 'O Globo'. De acordo com ele, a suspensão do programa com a representante do Partido dos Trabalhadores (PT) partiu do diretor-presidente da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Ricardo Melo.

Ele voltou ao cargo depois de ter vencido uma ação judicial no Supremo Tribunal Federal (STF). A mais alta corte do país concordou que a EBC era independente do governo federal e que, portanto, o mandato de Ricardo, que dura quatro anos, deveria ser respeitado.

Publicidade
Publicidade

Ele chegou até a ser substituído após uma decisão do presidente em exercício Michel Temer, do PMDB. 

A decisão de Ricardo Melo aconteceu depois de uma reunião com o sindicato dos profissionais da empresa de comunicação estatal, que reúne também rádios e a Agência Brasil. A conversa de Dilma foi gravada para o programa de Luís Nassif, que assim como outros nomes importantes da EBC, teve contrato cancelado pela gestão de Michel Temer. De acordo com os servidores da empresa, exibir uma entrevista feita por uma pessoa que sequer está trabalhando oficialmente na TV Brasil poderia dar grandes problemas. 

De fato, até mesmo a gravação da entrevista é vista como irregular nos termos trabalhistas. O canal agora não sabe se outra pessoa fará uma nova entrevista com Rousseff ou se o material ficará na gaveta até que exista uma solução para o contrato de Luís Nassif, que se junta a nomes como o do jornalista Sidney Rezende, afastado dias depois de estrear na Rádio Nacional.

Publicidade

Ricardo Melo garantiu que se a entrevista da presidente afastada for exibida, outras personalidades importantes também gravarão para a TV Brasil, como o presidente em exercício Michel Temer. O presidente do Senado Renan Calheiros e o Ministro do STF, Ricardo Lewandowski, estariam na fila das gravações. Na conversa, polêmicas sobre política e #Impeachment. Um material que fica velho rápido.  #Dilma Rousseff