Neste sábado, 25, o deputado federal Eduardo Cunha, do PMDB, decidiu dar uma saidinha com sua esposa, a jornalista Cláudia Cruz. De acordo com a coluna 'Estadão' do jornal 'O Estado de São Paulo' em nota publicada neste domingo, 26, o jantar do parlamentar ocorreu bem tarde, por volta de meia noite, em um dos restaurantes mais caros do Rio de Janeiro, o Satyricon. Com o avançar do horário, a foto mostra apenas o casal isolado em uma mesa. Outras mesas aparecem vazias. Uma das fotos publicadas pelo Estadão mostra Eduardo saboreando uma massa, enquanto sua esposa aparece pensativa.

Além da comida, o casal também pediu um bom vinho.

Publicidade
Publicidade

O Satyricon fica em Ipanema, na Zona Sul da cidade que recebe daqui a 40 dias os jogos olímpicos. O jantar ocorre na semana em que Cunha passou a ser pela segunda vez réu no Supremo Tribunal Federal (STF).  De acordo com o jornal 'O Estado de São Paulo', mesmo considerado pessoa não grata por muitos brasileiros, ele passou quase desapercebido, não fosse a fonte que realizou as imagens. O autor das fotos não foi identificado pelo jornal, que apenas descreveu que Cunha não sofreu qualquer tipo de hostilização.

Em uma coletiva dada em Brasília nessa semana, #Eduardo Cunha criou polêmica ao acusar a Rede Globo de Televisão de não dar espaço para ele em reportagens do 'Jornal Nacional'. Segundo o parlamentar que pode ter o seu mandato cassado, o telejornal comandado pelo jornalista William Bonner apenas entra em contato com ele minutos antes de exibir os materiais.

Publicidade

Além disso, quando dão espaço para as respostas, isso é feito com uma ou duas frases, quando o tempo para as acusações demora minutos. Cunha acusou o 'Jornal Nacional' de fazer um revezamentos das pessoas que o atacam. 

Atualmente, o deputado enfrenta, na mais alta corte do país, acusações de corrupção, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e declaração falsa em documento eleitoral. Sua mulher e até sua filha sofrem acusações parecidas e já estão sendo analisadas pelo juiz federal Sérgio Moro.