A política brasileira é tão controversa que quem é herói pode se tornar vilão do dia para noite. Na manhã desta quarta-feira, 08, o agente da Polícia Federal Newton Ishii, mais conhecido como "japonês da federal" acabou sendo preso acusado de facilitar o contrabando no país. Ele era um dos maiores ícones da principal investigação em vigor no país, a #Lava Jato. O "Japonês da federal" já foi condenado em segunda instância. Ele pode passar quatro anos e dois meses na cadeia por conta de seu suposto descaminho e corrupção durante o tempo em que atuava na Fronteira entre o Brasil e  o Paraguai. 

Newton Ishii ficou conhecido por conduzir presos para delações e até para prisão, como o empresário Marcelo Odebrecht, ex-diretor presidente de uma das maiores empreiteiras do país, a Odebrecht. 

A prisão do "japonês da federal" não agradou nem mesmo a Fenapef (Federação Nacional dos Policiais Federais.

Publicidade
Publicidade

Horas depois de um dos seus principais agentes ter ido parar atrás das grades, a entidade publicou uma nota em apoio a ele e deu detalhes de como teria ocorrido a detenção de Newton. Ele está na sede da Polícia Federal na capital do Paraná, Curitiba. É no mesmo local onde estão presos membros investigados pela Lava Jato. Lembrando que a prisão do policial não tem nada a ver com a apuração conduzida pelo juiz federal Sérgio Moro. 

A Federação diz na nota que ficou surpresa com a notícia e que apelará da decisão, lembrando que existem recursos existentes contra a decisão. Em seguida, a entidade disse que apoiaria o "japonês da federal" no que fosse necessário. A Fenapef completa relatando que o policial e sua família estariam sendo punidos de forma injusta há anos. O grupo que defende os federais vai além e lembrou que de fato o agente era um dos ícones da Lava-Jato. 

Uma fábrica no Rio de Janeiro chegou a fazer 25 mil máscaras com o rosto do policial.

Publicidade

Ele também virou marchinha de Carnaval e boneco. Depois do anúncio de sua detenção, a tag com a expressão que o tornou famoso virou o assunto mais comentado da internet.  #Crime