Diversos nomes do #Governo da presidente afastada Dilma Rousseff continuam recebendo, mesmo que não trabalhem mais. A informação foi confirmada nesta quarta-feira, 15, por Mauro Menezes, presidente da Comissão de Ética Pública da Presidência da República. De acordo com ele, no dia 13, uma reunião acabou consagrando positivos os pedidos de quarentena de 13 ex-chefões do governo da representante do Partido dos Trabalhadores (PT).

Entre os nomes que não são mais Ministros e receberam o benefício extremamente polêmico está o de Nelson Barbosa. Ele comandou a pasta da Fazenda de Dilma e chegou a fazer a defesa dela na Comissão do Impeachment do Senado, antes que esse realizasse a votação do dia 12 de maio, quando 55 Congressistas escolheram pelo afastamento de Rousseff.

Publicidade
Publicidade

Outros nomes que ainda recebem pagamentos são o do Ex-Secretário de Governo, Ricardo Berzoini, da ex-presidente da Caixa, Miriam Belchior, entre outros. Quem paga a folha salarial deles, é claro, é o povo brasileiro, que através dos impostos pesados precisa conciliar as contas de casa para ser honrado com órgãos como a Receita Federal. 

Antes mesmo de Dilma ser afastada, muitos dos aliados dela pareciam acreditar que não haveria outro destino para a petista no Senado. Desde o dia primeiro de maio, ao todo foram 151 pedidos de quarentena. Desses, até o momento, 41 foram autorizados, enquanto outros 51 foram negados. A folha salarial da governante afastada ainda pode aumentar mais e prejudicar a gestão de Michel Temer. Isso poque ainda faltam 57 pedidos para serem analisados. Nesses, estão o da ex-Ministra da Agricultura Kátia Abreu. 

Os beneficiados pela quarentena, diferente do que o nome pode sugerir, ficam, na verdade, recebendo os seus salários integralmente durante seis meses.

Publicidade

E teve gente que ainda tentou ficar com o dinheiro e continuar trabalhando para Dilma, mas isso ficou expressamente proibido. Para que se exerça qualquer trabalho formal ou informal será necessário abdicar do benefício. E tem gente mexida em aceitar ou não isso.  #Dilma Rousseff