De acordo com reportagem da revista "Época", divulgada na última quarta-feira (29), uma firma de advocacia com codinome Demarest & Almeida está sendo investigada suspeita de cometer inúmeras irregularidades em desvios de verbas referentes à Lei Rouanet. Inclusive teriam bancado um show com o humorista Fábio Porchat, durante as festividades do 68º aniversário de fundação da empresa. Segundo as investigações da Polícia Federal, o evento teria custado mais de R$ 200 mil - tal valor teria sido deduzido do imposto de renda em troca da realização do projeto cultural. Até o prezado momento, não existem evidências de que Fábio soubesse da irregularidade.

Publicidade
Publicidade

Em nota para a imprensa, um dos assessores da Demarest afirma, que, a princípio, a Polícia Federal pediu para que seus advogados repassassem informações referentes aos contratos assinados com os organizadores do evento. Segundo a empresa, os serviços prestados ocorreram de acordo com o regulamento da Lei Rouanet. A nota conclui que a empresa ''desconhece qualquer indício de fraude''. Entretanto, de acordo com o delegado responsável pelo caso, as empresas estão sendo investigadas por outros desvios de verbas provindas da Rouanet.

A Operação Boca Livre, da Polícia Federal, foi instaurada no início da semana com o objetivo de investigar os desvios de verbas da Lei Rouanet. Durante a operação foram cumpridos inúmeros mandatos de busca e apreensão. Além disso, 15 pessoas foram presas suspeitos do desvio de verbas.

Publicidade

As apreensões ocorreram nas regiões sul e sudeste e todos os mandatos foram expeditos pelo juiz Mário Guimarães, da 3ª Vara Criminal de São Paulo. O principal objetivo das investigações é o combate de irregularidades durante os repasses de verbas para eventos corporativos, shows, entre outros.

Com o decorrer das investigações, a polícia acabou descobrindo que até uma festa de casamento foi bancada com o dinheiro da Rouanet.  Além da Demarest & Almeida,outras três empresas também estão sendo investigadas. Destaques para a Bellini Eventos Culturais Scania e KPMG. #Curiosidades #Corrupção #Casos de polícia