Nesta quarta-feira, 08, era noite e um grupo de mais de 40 estudantes voltava para casa afim de descansar. A viagem de retorno, sempre cheia de sonhos, no entanto, acabou para 18 pessoas. Uma delas era o motorista, que colidiu com um rochedo na Rodovia Mogi-Bertioga. Uma estudante, no entanto, teve uma espécie de "premonição". Em entrevista ao site 'A Tarde Online', ela não sabia explicar o que a fez desistir de assistir aquele dia de aula.

Aluna da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC) Hikary Cristina Bueno Alves, cursa jornalismo e tem 18 anos. Todos os dias ela fazia o mesmo percurso para voltar para casa. O esforço, é claro, é para conseguir uma vaga no mercado da comunicação, sempre muito disputado.

Publicidade
Publicidade

Uma série de fatores a fez perder o ônibus para a faculdade. Um atraso acabou sendo responsável por salvar a vida da jovem. Todos os dia ela pega o ônibus que se acidentou por volta das 17h30. No entanto, quando ela chegou ao ponto, o veículo acabara de ir embora.

A estudante está muito abalada, já que diversos amigos seus estavam no ônibus. De acordo com ela, os alunos estão consolando uns aos outros."Foi uma coisa inexplicável, porque não costumo faltar. Eu conhecia todo mundo, falava com eles, a gente brincava", contou a universitária ao site. Nas redes sociais, muitos jovens enviaram mensagens de solidariedade aos amigos e familiares dos mortos. 

Hikary Cristina Bueno Alves ficou sabendo do #Acidente horas depois de perder o ônibus através do WhatsApp. Muitas mensagens também foram recebidas através do Facebook.

Publicidade

Gente que perguntava se ela estava viva. A menina confessa que ficou desesperada com a situação e que se colocou ali, como se fosse uma das pessoas acidentadas. De acordo com ela, não dá para acreditar que pessoas tão boas tenham a vida interrompida de maneira tão repentina. De acordo com o site, a menina chorava muito durante a entrevista. 

A jovem disse ainda que sempre teve medo de andar pela Serra, que seria muito perigosa, especialmente à noite. Ela ainda não pensou em como será o futuro agora, já que para continuar o curso ela terá que passar pelo mesmo local. #Crime