Mais um caso de estupro coletivo ganha as manchetes em todo o Brasil. Infelizmente tamanha barbaridade parece ser mais comum do que se imaginava.

Depois do caso do estupro coletivo de uma jovem de 16 anos no Rio de Janeiro que chamou a atenção do mundo todo, vários crimes semelhantes foram denunciados, em todo Brasil.

Segundo o Jornal O Tempo, o estupro coletivo aconteceu na cidade de Juiz de Fora na Zona da Mata mineira. O #Crime aconteceu no ultimo fim de semana.

De acordo com a Polícia Civil, a garota ficou em cárcere privado por 12 horas, ela foi capturada por voltas das 20h de sábado (25) e foi liberada por volta  das 8h da manhã de domingo(26). 

Entenda como aconteceu 

Segundo a delegada da delegacia de mulheres, responsável pelo caso, Ângela Fellet, na noite sábado a adolescente foi com sua família para uma festa junina.

Publicidade
Publicidade

Porém a garota deixou o local da festa sem o consentimento de seus pais, com o namorado e um casal de amigos.

Os quatros jovens se dirigiram para um imóvel abandonado no bairro Olavo Costa, o local é frequentado por usuários de drogas e para encontro de casais.

De acordo com o depoimento prestado na Polícia Civil pela vítima na manhã de segunda-feira (27), quando chegaram ao local, eles foram rendidos por oito homens, três deles estavam armados. Em seguida  seu namorado e o casal de amigos foram liberados.

A menina afirmou que não conhecia os homens, mas acredita que eles são traficantes da região. A garota disse que foi levada para três locais diferentes e obrigada a manter relações sexuais com várias pessoas.

A polícia já esteve nos locais onde a garota afirmou que esteve enquanto era mantida em cárcere privado pelos traficantes.

Publicidade

Vídeos no Facebook

A delegada informou que assistiu os dois vídeos e que como a menina tem menos de 14 anos, mesmo que aleguem que a relação foi consensual, o ato é considerado estupro de vulnerável. O vídeo é a prova de que o crime foi cometido, e alguns suspeitos identificados.

Polícia procura pelos 10 suspeitos 

Ângela Fellet afirma que são dez suspeitos de terem cometido o estupro coletivo. Entre os suspeitos estão quatro menores que disseram que as relações sexuais foram consentidas, os jovens se apresentaram espontaneamente na delegacia para prestar depoimento.

Para a polícia existe a clara intenção dos menores de livrarem os adultos das acusações. Os adolescentes afirmaram que não houve penetração, porém as imagens dos vídeos mostram a conjunção carnal.

A delegada vai considera a possibilidade de pedir a apreensão dos menores e a prisão dos adultos. A vítima está sob proteção da polícia e do Conselho Tutelar. #Investigação Criminal #Casos de polícia