A delegada Cristiana Bento, titular da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (Dcav), decidiu nesta quinta-feira, 02, dar parecer favorável a soltura de um dos suspeitos de terem agido no estupro coletivo de uma menina de 16 anos no Rio de Janeiro. O suspeito em questão é o ex-namorado da jovem, que alega ser inocente. Além de ser preso, o jogador de futebol Lucas Perdomo acabou perdendo o emprego no Boavista, clube carioca. O contrato dele foi rompido até segunda ordem. 

Antes do parecer favorável para soltar Lucas, no entanto, a Polícia Civil confessou ao UOL que tinha medo do atleta ser moto do Complexo Penitenciário de Bangu.

Publicidade
Publicidade

Isso porque o #Crime teve enorme repercussão nacional, fazendo com que até mesmo presos já saibam do estupro coletivo da adolescente. Prisioneiros não tem tratamento cordial com estupradores. Muitos sofrem abusos, enquanto outros são torturados e mortos dentro da cadeia. 

A delegada confessou há jornalistas que não existem provas suficientes para manter o namorado preso. Algumas testemunhas, inclusive, negam que ele estivesse no local. A vítima do estupro se contradisse sobre a participação ou não do jogador no crime. Os demais suspeitos negam que Lucas estivesse no local do crime. Ele foi preso no momento em que dava uma entrevista para um repórter do SporTV. 

O pedido de revogação de prisão já tinha sido solicitado mais cedo pelo advogado do jogador, Eduardo Antunes. O advogado diz que o caso não estava sendo apurado e que as provas eram frágeis, não sendo suficientes para manter a prisão temporária dele.

Publicidade

Até o fechamento desta reportagem, o Fórum de Jacarepaguá ainda não tinha dado uma decisão sobre a soltura ou não do rapaz. 

"Estamos bem confiantes de que ele vai ser liberado, no máximo, até amanhã", disse o advogado do rapaz, que lembrou que a única citação sobre uma possível participação de Lucas e´que a jovem passou na casa dele um dia antes do crime ocorrer. Uma conversa no WhatsApp, no entanto, mostra que nem ela tinha certeza desse fato.  #Investigação Criminal