Uma carta divulgada nesta última terça-feira (31) através do Facebook traz novas informações ao caso da menina vítima de estupro coletivo no Rio de Janeiro. A carta teria sido escrita por Raphael Assis Duarte Belo, de 41 anos, suspeito de envolvimento no #Crime. A carta atribuída a ele foi divulgada no Facebook de sua cunhada.

Na carta, Raphael nega ser culpado pelo crime e conta que foi à quadra do Francão para uma matinê, só que tinha que pedir autorização aos traficantes. Ele então pegou a moto, o Raí, que já está preso, e foi para o local. Isto teria sido no domingo, dia 22, e a jovem teria sido violentada no sábado.

A carta continua contando que quando chegou próximo a casa notou que ela estava aberta e um cheiro de fezes.

Publicidade
Publicidade

Lá dentro tinha uma garota nua e também um rapaz chamado Jefinho, que lhe disse que dentro da casa tinha uma mulher que não queria sair dali. Os três teriam entrado e ela estava deitada, nua e muito suja.

Ele então conta que foi nesta hora que o Raí pegou o smartphone e começou a gravar. Ela, então, começou a acordar e eles deixaram o local. Raphael disse que a gravação do vídeo foi só uma brincadeira, uma "zoação", e que eles em momento algum machucaram a garota ou fizeram sexo com ela.

Só que a carta revelou mais, pois ele contou que na quarta-feira (25) ele foi comer uma "quentinha" e estava na rua Baronesa quando parou um HB20 e deixou uma garota desacordada na rua. Ele então comprou uma garrafa de água e molhou os pulsos e a nuca da jovem para ela acordar. Raphael conta que deu água à garota e também comprou uma "quentinha" para ela almoçar.

Publicidade

E foi então que ele reconheceu que ela era a mesma mulher que viu na casa abandonada no domingo, mas ele não tinha a reconhecido ainda porque ela estava limpa e arrumada.

Raphael ainda diz que deixou ela ficar deitada dentro de seu carro e que ela dormiu um pouco, mas depois vomitou muito dentro do veículo. Ele ainda a teria levado para sua residência, onde a deixou e foi trabalhar. Na volta ele viu que ela tinha vomitado muito e ele colocou-a para tomar um banho e voltou para o trabalho, e foi então que seus colegas começaram a mostrar sua foto na internet e todo mundo olhava para ele, enquanto seu telefone tocava sem parar.

O terceiro suspeito de participar do estupro coletivo, Raphael Assis Duarte Belo, autor desta carta, se entregou à polícia nesta quarta-feira, dia 1º de junho e já foi levado para a Cidade da Polícia.

#Violência #Casos de polícia