Raí Souza foi preso sob a acusação de ter participado do estupro coletivo da jovem de apenas 16 anos, mas ele já negou esta versão e garante que apenas postou o vídeo na internet. Enquanto isto, começam a surgir novas provas mostrando que o caso não é exatamente como a jovem apresentou e que ela não teria sido estuprada, o que tem gerado grande polêmica. Neide Souza é a mãe de Raí e garante que a menina já está acostumada a "fazer bacanal" e ainda afirmou: "É uma doente"!

A declaração da mãe do suspeito serviu para fortalecer o protesto realizado pela comunidade, que chegou a parar o trânsito. As pessoas mostravam cartazes alegando que não houve estupro coletivo naquele local e que tudo isto seria uma invenção da jovem para justificar seu comportamento perante a família.

Publicidade
Publicidade

Familiares e amigos de Raí também participaram do protesto e pedem que o caso seja devidamente esclarecido.

Na última sexta-feira (27), Raí chegou à Cidade da Polícia bastante sorridente e confiante, chegando até mesmo a acenar para os fotógrafos, dizendo ainda que seu amigo Lucas estava mais famoso que a presidente Dilma. Lucas chegou a namorar a jovem violentada, mas garantiu que já não tinha mais nenhum envolvimento com ela e que também não participou do estupro coletivo.

Moradores da comunidade onde a jovem alega ter sido violentada estão agora revelando fatos sobre o passado da menina para que todos vejam que ela não é tão inocente como as pessoas estão imaginando. Já foi revelado que ela tem um filho de 3 anos com um ex-chefe do tráfico na comunidade, o "Russa", e ela mesma já declarou em seu depoimento que mantinha relações com traficantes do local.

Publicidade

No Facebook da jovem existiam várias fotos dela segurando armas, só que ela apagou todas estas imagens, porém foram feitas cópias que já circulam pela internet.

Enquanto isto, a mãe de Raí continua dizendo que a prisão do filho foi injusta e segue revelando tudo sobre a vida da jovem na comunidade, antes do suposto estupro coletivo.

Ameaçada de morte, a garota de 16 anos já teve que deixar sua casa e vai mudar do Rio de Janeiro, além de ter seu nome alterado para garantir sua segurança. #Crime #Violência #Casos de polícia