O senador Fernando Bezerra, eleito pelo PSB de Pernambuco, afirmou em entrevista publicada nesta sexta-feira, 17, que as provas técnicas não deixam dúvidas, a presidente afastada Dilma Rousseff realmente teria cometido o crime de responsabilidade fiscal a que é acusada. O depoimento de Fernando surpreende. Isso porque em um passado próximo ele foi um dos Ministros do governo da representante do Partido dos Trabalhadores, o PT. Bezerra também ficou conhecido por ser fiel escudeiro de Eduardo Campos, ex-governador de Pernambuco que faleceu durante a campanha eleitoral de 2014. 

O Senador lembra que o Tribunal de Contas da União (TCU) é uma entidade séria e que apontou 23 atos irregulares cometidos pela companheira do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Publicidade
Publicidade

Os dados são referentes ao ano de 2015. Segundo ele, isso ajuda a respaldar os argumentos de quem agora votará pelo impedimento da petista. A previsão é que a votação contra Dilma ocorra no início de agosto. Chegou a se falar nas datas 01 e 02 de agosto, mas devido a procrastinação da Comissão do impedimento, esse período pode ser aumentado consequentemente, ficando em uma data posterior. 

Nesta quinta-feira, 16, o advogado de Rousseff, José Eduardo Cardozo, acabou sendo enganado pela própria equipe. Ele acabou fazendo um agradecimento especial ao jurista 'Tomás Turbando'. Em entrevista ao site da Revista Veja São Paulo, Cardozo confirmou que o nome estava escrito no documento que leu. De acordo com ele, a ação foi uma piada interna do grupo de advogados que defende a presidente, mas que acredita não ter sido nada proposital.

Publicidade

De acordo com o ex-Ministro da Justiça, um funcionário escreveu o nome para brincar com outro. No entanto, o revisor acabou não percebendo. Ele mesmo no momento da leitura acabou não notando o nome em tom de deboche. A situação ganhou grande repercussão na internet e fez muita gente rir de um processo marcado pela tensão e discussões. Pelo menos alguém na equipe da petista ainda tem senso de humor.  #Dilma Rousseff #Impeachment