Uma família separada pela tragédia. De acordo com informações do 'Cidade Alerta', da TV Record e também do R7, um homem de 48 anos acabou sendo assassinado pelo próprio filho, uma rapaz bonito de apenas 19 anos de idade. A morte aconteceu na cidade de Susano, em São Paulo, na última quarta-feira, 22. No entanto, a prisão do rapaz só ocorreu nesta sexta-feira, 24. De acordo com Ricardo Rodrigues Taube, ele matou o pai porque não concordava com seu comportamento em casa. O ápice da raiva do jovem ocorreu após o pai bater em sua avó. Não foi informado se a mulher seria mãe do falecido ou parente direta da progenitora do preso.

O morto foi identificado como Ricardo Taube.

Publicidade
Publicidade

Ele estava acompanhado de outro homem, que seria seu amigo, Eliomar Suares de Oliveira, de 49 anos, que também foi assassinado. O filho dele para matá-los teve a ajuda de dois amigos. Um de 18 e outro de 49 anos. O mais velho foi identificado pela Polícia Civil de São Paulo como José Luís dos Santos. Já o mais novo, de 27 anos, foi identificado como José Aparecido Rodrigues. 

Os três tiveram sangue frio para matar os dois senhores a facadas. Após o #Crime, eles fugiram. A partir daí começou a investigação para entender o caso e achar os culpados. A Polícia conseguiu localizar uma arma de fogo, mas não entendia muito bem a pista, já que a perícia não identificou feridas de balas nos corpos. Mas foi a parir da arma que se chegou aos três acuados. Eles explicaram que chegaram a atirar nos falecidos, mas ao que tudo indica, nenhuma das balas pegou neles. 

O grupo, depois de começar a ser procurado pela Polícia, inclusive com a ajuda da imprensa, decidiu se apresentar na sexta-feira na delegacia.

Publicidade

A Polícia confirmou ao R7 que Taube foi morto por bater o tempo todo na avó do jovem, que ficou revoltado. A apresentação do grupo foi realizada na Delegacia de Homicídios de Mogi das Cruzes. 

O caso ganhou grande repercussão na grande São Paulo, já que envolve diversos membros de uma mesma família. Os presos devem agora aguardar na cadeia até os julgamentos.  #Investigação Criminal