A #Polícia Federal deflagrou na última terça-feira (21), a Operação Turbulência, e o único foragido da operação, Paulo Cesar de Barros Morato, foi encontrado morto por agentes da Polícia Federal na noite dessa quarta-feira (22), num motel localizado na cidade de Olinda, em Pernambuco.

As investigações da Operação Turbulência analisam o esquema de corrupção e lavagem de dinheiro que envolveram a compra do avião Cessna Citation PR AFA, que caiu em 2014. A queda do avião matou sete pessoas, entre elas, o candidato à presidência e ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos (#PSB-PE).

Paulo Cesar de Barros Morato estava foragido e seria o proprietário da empresa Câmara & Vasconcelos, que é apontada por ter envolvimento na compra do avião.

Publicidade
Publicidade

As investigações também apontam que o avião que caiu pode ter servido para “irrigar”, a campanha presidencial da chapa de Campos e Marina Silva, em 2014. Além de 2014, a Polícia Federal também acredita que também houve o mesmo esquema de corrupção e lavagem de dinheiro na eleição para governador de Pernambuco em 2010, na qual Eduardo Campos foi eleito.

Polícia Federal informou que investigação da morte ficará a cargo da Polícia Civil

Por meio de nota, a Polícia Federal informou que não poderá fazer as investigações da causa da morte de Paulo Cesar de Barros Morato. A nota afirma que caberá à Polícia Civil do estado de Pernambuco investigar o que ocasionou a morte do empresário.

Porém, se porventura durante o percurso das investigações da Polícia Civil, alguma circunstância apontar que haja vínculo com os acontecimentos e fatos que estão sendo investigados na Operação Turbulência, a Polícia Federal intervirá no caso e tomará a frente da investigação.

Publicidade

De acordo com reportagem da "Folha de São Paulo", a hipótese de suicídio está sendo ventilada e será investigada junto com outras hipóteses que estão sendo estudas pelos investigadores.

Donos do avião já foram detidos pela Polícia Federal

A Polícia Federal já prendeu os empresários que eram os donos do avião. João Carlos Lyra Pessoa de Melo Filho, Eduardo Bezerra Leite e Apolo Santana Vieira eram os donos do Cessna Citation PR-AFA. Toda a investigação teve início através da compra do avião e gerou um efeito cascata até chegar nas operações ilegais e criminosas feita por esse grupo de pessoas.

O PSB nega todas as acusações e garante que a campanha eleitoral de 2014 foi feita dentro da legalidade. #Investigação Criminal