A Operação Alba Branca é responsável pelas investigações para a apuração de irregularidades nos contratos de merenda escolar, tanto pelo governo de São Paulo quanto por prefeituras.  De acordo com o Ministério Público, foi identificado até agora que os desvios de dinheiro público somam R$ 38.901.149,03.

Em Ribeirão Preto, na quarta-feira dia 15, os promotores que investigam o caso informaram que a máfia da merenda usou recursos federais para custear contratos falsos firmados com a Coaf, cooperativa de agricultores.

Até o momento as investigações vinham sendo conduzidas pelo Ministério Público de São Paulo, porém agora foram encaminhadas a Justiça Federal.

Publicidade
Publicidade

 Segundo um dos promotores, Hebert Vitor Oliveira, mais de 90% do dinheiro era de origem federal. O levantamento feito pelo Tribunal de Contas do Estado mostrou que R$ 333 mil foi do governo estadual, R$ 2.116.538,22 das prefeituras e R$ 36.067.245,00 foram recursos do tesouro nacional.

Ainda segundo informações do Ministério Público, o dinheiro foi usado para pagar contratos falsos do governo com a Coaf. Para Oliveira, ainda não é possível falar em desvio, porém se sabe que o pagamento foi feio através de fraude. Os produtores rurais que deveriam ser os beneficiados com os recursos não existem e os contratos com 17 de prefeituras são fraudados, ou seja, os produtores que constam nos contratos não eram fornecedores reais da merenda escolar.

A investigação está em processo e é estimado que mais de 50 prefeituras estão envolvidas e mais de cem pessoas  podem estar relacionadas as fraudes.

Publicidade

Um dos vendedores da Coaf chegou a postar foto nas redes sociais rodeado por dinheiro, foi acusado de receber propina, mas negou.

Investigações correm por novos caminhos

Ao identificar que a maior parte do dinheiro era de origem federal, Vanessa Barbosa, Juíza de Bebedouro, entendeu que não teria competência jurídica para continuar as investigações, assim decidiu pelo encaminhamento do processo para a #Polícia Federal.

A máfia da merenda escolar resultou em escolas sem condições de oferecer alimentação para seus alunos. #Dentro da política