A Polícia Civil do estado de São Paulo investiga o assassinato de um funcionário do SBT. Ronaldo Lincoln Costa Paz, de 31 anos, era assistente de programação da emissora de Silvio Santos. Ele foi baleado na noite desta terça-feira, 07, quando voltada para casa, no bairro Cidade Ademar, ZonaSul de São Paulo. Ronaldo começou a carreira no SBT. Ele fez estágio no canal e há um ano atuava na Assistência de Produção. Ao sair do canal depois de uma rotina puxada de trabalho, Ronaldo desceu do ônibus. Testemunhas disseram que tudo ocorreu por volta das 23h. 

O assistente subia à rua, já estava perto de casa, quando foi pardo próximo à uma barbearia.

Publicidade
Publicidade

O estabelecimento estava fechado. Essa é a última vez que Ronaldo foi visto antes de ser morto. De acordo com uma reportagem da Jornalista Simone Queiroz veiculada nesta quarta-feira, 08, no 'SBT Brasil', testemunhas ouviram gritos, tiros e barulho de moto. Essa última informação pode ajudar à Polícia, que até o momento trata o caso como homicídio. 

Por ser um rapaz muito alegre, a família não acredita na possibilidade de um assassinato combinado. Amigos também não creem nessa hipótese, mas sim em latrocínio, o roubo seguido de morte. "Foram quatro tiros, mas foi tudo extremamente rápido", disse uma testemunha que preferiu não identificar o nome, nem o rosto, durante entrevista ao 'SBT Brasil'. 

O delegado responsável pelo caso, José Ademar de Souza, disse que as evidências do cenário do #Crime mostram que a tendência é que ocorreu mesmo um homicídio.

Publicidade

"O crime tinha um objetivo. Ele só levou um tiro, fatal e realizado a curta distância", explicou o profissional acostumado a trabalhar com esse tipo de caso o tempo todo. O delegado informou que o tiro foi dado no rosto.

A família disse que nada foi roubado do rapaz. De acordo com familiares, Ronaldo poderia ter reagido ao assalto. Junto ao corpo foi encontrado um capacete de motoqueiro. Imagens de câmeras de segurança mostram um motociclista passando minutos antes do crime na região. Elas devem ser analisadas pela Polícia. Amigos de trabalho do profissional se dizem "chocados".  #Investigação Criminal