Uma agente de turismo e sua namorada, sofreram com o preconceito em mais um caso de #Homofobia que ganhou o noticiário nacional.

Desta vez um casal de lésbicas, foi interpelado por um médico que disse que ser homossexual é aberração e que: 'Gay, tem que matar'. 

O que o médico não imaginava é que seu discurso homofóbico, estava sendo filmado.

Segundo o portal de notícias G1, com o vídeo em mãos, a agente de turismo e sua namorada, procuram o 1º Distrito Policial da cidade de Goiânia e prestaram queixa contra o médico pneumologista Ricardo Dourado.

Gay é aberração

Este caso aconteceu, na madrugada desta quarta-feira (15), em um posto de combustíveis, localizado na Praça Cívica que fica na região central de Goiânia.

Publicidade
Publicidade

No vídeo é possível ver o médico gesticulando e dizendo que: “Veado, gay, se pegar, tem que matar. O mundo não é pra isso, as aberrações, esquece isso”, veja o vídeo no final desta publicação.

O vídeo foi divulgado na rede social pela a agente de viagens, além de dizer que é preciso matar os gays, o médico também afirma que homossexualidade é anormal e uma aberração.

'Vai atrás de um homem bom pra você'

Em entrevista ao G1, Angélica relatou que estava em um quiosque com sua namorada, a turismóloga Giovana Alves, de 27 anos e uma amiga em comum.

De repente, Ricardo Dourado teria chegado já passando a mão em suas costas e se insinuando, foi quando Giovana, pediu que o homem não importunasse sua namorada.

Ainda de acordo com Angélica, foi neste momento que o médico se exaltou e começou a fazer seu discurso homofóbico em alto e bom som: “Vai atrás de um homem bom pra você.

Publicidade

Casa, vai ter filho. Isso é o normal. Vocês querem o anormal"?. 

Giovana Alves afirmou que ficou extremamente constrangida com a declaração do médico e que ela e sua namorada ficaram sem ação, diante da agressão verbal gratuita de Ricardo.

O médico se pronunciou

Por telefone, Ricardo Dourado, disse ao G1, que só se exaltou porque o casal estava se exibindo. Que ele havia bebido algumas cervejas e não se lembra de ter falado em morte.

Contudo, o médico afirma que se falou em matar, foi sem ver e que pede desculpas.

Ricardo ainda afirmou ao G1, que não acha certo homossexuais ficarem se exibindo, fazendo carícias e trocando beijos em ambientes públicos. Que esta é a opinião dele e que também deve ser respeitada.

Assista o vídeo aqui:

#Crime #Investigação Criminal