O dia era 10 de maio. A presidente afastada Dilma Rousseff já enfrentava um enorme inferno astral, lutando contra o próprio impeachment. No entanto, o governo teve tempo para aprovar uma festa com o cantor Wesley Safadão, que atualmente é um dos artistas mais caros do país. Famoso pelo hit '99% anjo, perfeito, mas aquele 1% é vagabundo", Safadão recebeu R$ 200 mil do governo petista por um show. A apresentação dele aconteceu na festa junina de Maracanaú, no Ceará. Ao todo, a festa custou mais de R$ 1 milhão (R$ 1.200.000,00). A maior parte do dinheiro foi para bancar Safadão e outras bandas regionais. 

A informação que está gerando críticas foi publicada nesta sexta-feira, 10, pelo jornal 'O Estado de São Paulo'.

Publicidade
Publicidade

Safadão não pode receber mais de R$ 200 mil, pois essa é a quantia máxima a ser paga pelo estado à um único artista através da verba pública. Não foi só para a festa junina do Ceará que a petista liberou grana há dois dias antes de ser afastada com 55 votos pelos Senadores. Tradicionais confraternizações nas cidades de Limoeiro, em Pernambuco, e Aracaju, Sergipe, também tiveram aquela ajudinha governamental.

Segundo o jornal 'O Estado de São Paulo', ao todo foram gastos mais de R$ 6 milhões só com festas juninas no nordeste. O dinheiro partiu do Ministério do Turismo e não do da Cultura, que chegou a ser extinto nos primeiros dias do governo do presidente em exercício Michel Temer, do PMDB. Atualmente, o Ministro da Cultura é Marcelo Calero de 33 anos. 

A festa que teve Safadão, a de Maracanaú, tinha verba prometida desde o ano de 2015, quando na pasta esta Henrique Alves.

Publicidade

Curiosamente, quem acabou liberando a ajuda financeira foi Alessandro Teixeira, que passou pouco tempo na pasta. Ele ficou conhecido por ser marido de uma ex-miss bumbum, que tirou fotos ousadas em um gabinete. Além de Wesley Safadão, outros artistas foram bancados com verba pública do Turismo. Segue a lista publica pelo 'Estadão': "Solteirões", Aviões do Forró, Lagosta Bronzeada, César Menotti & Fabiano e Bruno e Marrone.  #Dilma Rousseff