Investigadores de Pernambuco chegaram à conclusão de como teria morrido o empresário Paulo Cesar de Barros Morato, que foi encontrado sem vida no dia 22 em um hotel de Olinda. A revelação surpreendeu a muitos e o caso está cercado de muito mistério. Envenenamento por chumbinho teria matado o empresário que era alvo da 'Operação Turbulência'. De acordo com a Polícia Federal, Paulo sabia muito sobre o avião que acabou matando o ex-governador de Pernambuco e candidato à presidência da república Eduardo Campos, do PSB. Campos morreu enquanto disputada o posto mais importante do país com nomes como Marina Silva e Aécio Neves.

A conclusão de que o empresário morreu por veneno de rato foi tida a partir de exames toxicológicos e histológicos.

Publicidade
Publicidade

As vísceras do morto foram periciadas e nelas encontradas evidências do veneno. A informação foi revelada nesta quinta-feira 30, pela própria Polícia Científica de Pernambuco, que está à frente do caso. O que os investigadores querem saber agora é se o caso foi homicídio ou suicídio. Isso porque não é possível dizer quando o empresário realmente teria ingerido o veneno. Imagens do circuito de segurança onde o corpo foi encontrado já foram periciadas pelos agentes, que não encontraram qualquer outras pessoa que estivesse acompanhando o empresário alvo de um investigação federal. 

O laudo da perícia do carro onde o homem foi encontrado ainda será finalizado. O corpo do morto ainda não foi liberado desde que encontrado pelos agentes. A previsão é que isso ocorra já nesta sexta-feira, 1º. A operação da PF apurava esquemas de corrupção envolvendo Eduardo Campos.

Publicidade

Há suspeita de que a campanha do governador falecido fosse bancada com dinheiro irregular, assim como o avião que ele utilizou durante a campanha presidencial.

O empresário que foi encontrado morto era considerado peça central na investigação. Por se tratar de um crime com amplo conhecimento nacional, a morte do homem deu o que falar na internet e uma rede de boatos foi criada. No entanto, as informações oficiais ainda são muito vagas. #Investigação Criminal