Uma notícia supostamente falsa está sendo compartilhada de forma absurda na internet. Publicada pelo site 'Folha Brasil', uma reportagem dá detalhes de um #Crime bárbaro. Uma idosa de 82 anos teria sido presa por não pagar a pensão alimentícia do neto. De acordo com o site, ela passou seis dias na prisão e nesse tempo foi violentada sexualmente por outras mulheres. O crime teria ocorrido no município de Teodoro Sampaio, no centro-norte da Bahia. No entanto, a delegada da região, Dra. Diana Cristina Soares da Cunha, nega que qualquer ocorrência parecida tenha sido registrada em sua delegacia. 

A delegada revelou que ficou sabendo da notícia no dia 28 de Abril e que está entrando em contato com alguns sites para dizer que o crime não aconteceu em Teodoro Sampaio, pois nenhum registro de ocorrência do tipo foi realizado.

Publicidade
Publicidade

Pior, a cidade no interior da Bahia estaria desativada, ou seja, a idosa não poderia ficar no local. Todos os trabalhos policiais estão sendo feitos no município de Terra Nova, que também não tem nenhum custodiado. 

Na matéria publicada 'Folha Brasil', a idosa teria revelado que o marido morreu há dois meses e que gasta boa parte do salário que recebe como aposentada com remédios. O filho dela, pai do neto da senhora que não teve nome divulgado, estaria em viagem por Porto Seguro. Ele voltou horrorizado com os acontecimentos.

Como o causo não foi confirmado, atenção, ao que tudo indica, a informação que é compartilhada na internet pode ser boato. 

Estupro mobilizou atenções

A informação começou a surgir depois que uma menina de 16 anos disse a policiais do Rio de Janeiro que foi estuprada por 33 homens no Morro do Barão, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Publicidade

A menina agora está em um programa de proteção à vítima. Ela deve mudar de estado. O caso chocou o Brasil e o mundo. O crime é recheado de polêmicas, mas a Polícia Civil diz ter certeza que houve o estupro. A barbaridade foi descoberta depois que um vídeo íntimo foi amplamente compartilhado nas redes sociais.  #Investigação Criminal