Nesta segunda-feira, 27, aconteceu mais uma sessão da Comissão do impeachment sobre a presidente afastada Dilma Rousseff no Senado. E o início da semana já foi de bate-boca. Após ter sido citada pela senadora Gleisi Hoffmann, eleita pelo Partido dos Trabalhadores (#PT) do Paraná, a advogada de acusação contra Dilma, Janaína Paschoal ficou uma fera. Ela que é uma das autoras da denúncia que pede que a sucessora do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixe o poder, decidiu rebater afirmação da Senadora. A advogada, que também é professora de uma das principais universidades do país, a USP, considerou a frase de Gleisi ofensiva.

A petista disse na Comissão que o juiz federal que mandou prender seu marido, o ex-Ministro do Planejamento Paulo Bernardo, é orientando do curso de doutorado ministrado por Janaína.

Publicidade
Publicidade

O tom da Senadora foi de que haveria alguma coisa por trás de tal informação, que pode ser confirmada no site da própria USP, a Universidade de São Paulo. 

“As pessoas medem as outras pelas própria régua", começou a advogada que quer a saída de Dilma a fazer o seu discurso. De acordo com a advogada, ela não é que nem os petistas, que se ajoelham para os crimes do partido. "Como os petistas tem vassalos e não orientandos, eles acreditam que outros professores também exigem que as pessoas se ajoelhem", disse ela fazendo a analogia. Em seguida, Paschoal que disse ter recebido R$ 45 mil do PSDB para trabalhar no documento do impedimento, disse que seus orientandos são de correntes ideológicas diferentes. 

Segundo a advogada, os seus alunos não tem que dar explicações sobre a vida ou o trabalho, mas sim apenas das pesquisas que realizam. Antes de se irritar, Janaína ouviu um discurso interrompido do Senador Lindbergh Farias, eleito pelo Partido dos Trabalhadores do Rio de Janeiro.

Publicidade

O petista tentava criticar a jurista que ficou famosa em todo o Brasil. No entanto, outros Congressistas se irritaram e interrompiam as falas o tempo todo. "O que falei é verdade, é orientando dela”, disse em tom alto o Senador petista, conhecido por interromper diversas vezes as sessões do Senado para procrastinar o processo contra sua aliada.  #Governo