Os principais nomes da política brasileira viraram alvos do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot. De acordo com informações apuradas pela TV Globo, ele solicitou a prisão de diversos nomes importantes. A começar pelo presidente do Senado, Renan Calheiros, eleito pelo PMDB de Alagoas. Todos os nomes relacionados até o momento fazem parte do partido do presidente em exercício, Michel Temer. Outro pedido de prisão foi solicitado ao ex-Ministro do Planejamento e Senador, Romero Jucá. Na lista, temos ainda Eduardo Cunha, que presidiu a Câmara e está afastado, além do ex-presidente da república José Sarney. 

De acordo com Rodrigo Janot, o motivo para a prisão seria que esses nomes estariam tentando obstruir a principal investigação em vigor no país, a Lava Jato.

Publicidade
Publicidade

José Sarney, por ter idade avançada, não ficaria em uma prisão, mas sim usaria tornozeleira eletrônica. Para que esses nomes realmente sejam presos, eles precisam ser julgados pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O pedido de Janot surpreendeu muita gente. Isso porque ele já tinha solicitado uma investigação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, da presidente afastada Dilma Rousseff e do ex-Advogado-Geral da União, José Eduardo Cardozo pelo mesmo motivo.

Apesar de dizer que existiam indícios fortes de que os três tentaram prejudicar a Lava Jato, nenhum deles teve prisão pedida. No caso de #Lula, o pedido de prisão preventiva partiu do Ministério Público de São Paulo, mas não chegou a ser concordado pelo juiz federal Sérgio Moro. Todos os nomes citados nessa reportagem já disseram publicamente que nunca tramaram nada contra a Lava Jato e que, pelo contrário, apoiam as investigações sobre o esquema de corrupção da maior estatal brasileira, a Petrobrás.

Publicidade

O pedido de prisão dos nomes peemedebistas foi solicitado há uma semana e está nas mãos do Ministro do STF Teori Zavascki. Não há uma prazo para que esse julgue a questão. Até a publicação desta reportagem, nenhum dos possíveis presos comentou o pedido feito por Rodrigo Janot.  #Dilma Rousseff