Um dos blogs mais acessados do país é 'O Antagonista'. Editado por ex-jornalistas da Revista Veja, o site publicou nesta terça-feira, 07, uma informação importante sobre os rumos do #Impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Essa está relacionada com o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, que estaria interessado em um nome do Partido dos Trabalhadores (PT) para assumir a presidência do Senado. De acordo com o jornal 'O Globo', Rodrigo Janot pediu ao presidente Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski,  a prisão de quatro peemedebistas: Renan Calheiros, José Sarney, Eduardo Cunha e Romero Jucá. 

Além da prisão de Renan Calheiros, o Procurador teria solicitado ainda que Renan Calheiros fosse afastado da presidência do Senado, justamente quado a casa está prestes a votar o impeachment de Dilma.

Publicidade
Publicidade

O sucessor de Calheiros com o afastamento é o Senador Jorge Viana, que poderia tentar procrastinar ou agilizar a votação, dependendo do quanto isso fosse visto pelo partido dele. 

"Só isso pode explicar o fato de que, quando fazia o jogo de #Dilma Rousseff, Renan Calheiros era poupado pela Procuradoria-Geral da República; assim que deixou de ser útil, passou a ser tratado como um inimigo", escreveu o blog político, sinalizando que o Procurador pode ter uma trama contra o impedimento.

A TV Globo disse que confirmou as informações dos pedidos de prisão dadas em 'O Globo'. Procurado, Rodrigo Janot não falou nada. Ele também não pode falar, já que o processo deveria seguir em sigilo. Quem não gostou nada dos vazamentos foi Ministro do STF Gilmar Mendes. Ele chamou o vazamento de brincadeira com o Supremo, além de crime.

Publicidade

Mendes, no entanto, não afirma que foi Rodrigo quem divulgou a informação para a imprensa.

Curiosamente, os pedidos foram feitos pelo Procurador há mais de uma semana, mas só agora, depois do STF não dar uma rápida resposta, a informação ganhou a mídia. A base para o pedido de prisão de Renan, Sarney e Jucá são as gravações feitas pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado.