Gleisi Hoffmann alegou nesta quinta-feira, 24, que as buscas da Operação Custo Brasil em seu apartamento localizado em Curitiba, no Paraná, violaram a prerrogativa de foro privilegiado. A representante do Partido dos Trabalhadores (PT) disse que a Justiça Federal de São Paulo não teria feito uma especificação sobre o que seria dela e o que seria do marido, o ex-Ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, que foi preso durante a Operação. No entanto, de acordo com um documento publicado pelo site 'O Antagonista', o juiz que despachou o processo contra o marido da Senadora, Paulo Bueno de Azevedo, deixou bem claro o que os policiais poderiam vir a periciar. 

No documento, o magistrado dIz que o Ministério Público Federal "aduziu que a busca e apreensão de documentos" seria "restrita àqueles relacionados a Paulo Bernardo".

Publicidade
Publicidade

Isso significa na prática que nada que fosse exclusivamente com o nome da petista ou que tivesse o nome dela e do marido poderiam ser levados. Gleisi ganhou apoio de Senadores, que tentam anular as buscas na casa dela. Comentaristas políticos chamam a estratégia de blindagem.

Já de acordo com a colunista Vera Magalhães, do site da Revista Veja, apesar da operação feita pela Polícia Federal não ter atingido diretamente a Senadora, que virá "chumbo grosso" contra ela em breve. De acordo com a profissional da mídia, Gleisi Hoffmann não escaparia dos questionamentos contra ela, que envolveriam supostos crimes tão capciosos como os que teriam sido cometidos pelo marido dela. 

A Veja cita uma delação feita pelo ex-vereador do Partido dos Trabalhadores, Alexandre Romano, conhecido como Chambinho.

Publicidade

Os depoimentos dele dão conta que não foram só os contratos envolvendo a Consist que teriam desviado dinheiro do crédito consignado destinado a servidores federais. Ele diz que uma fraude envolvendo uma estatal, os Correios, ajudou a beneficiar a campanha de Hoffmann. Ao todo, de acordo com ele, a Senadora teria recebido R$ 600 mil de forma irregular. A ação deve correr no Supremo Tribunal Federal (STF).  #PT #Lava Jato