O juiz Roberto Veloso passa a comandar a partir do dia 15 desse mês a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe). Com isso, ele vira o líder dos magistrados federais. Em entrevista publicada no 'Diário do Poder', Roberto Veloso nega que faça qualquer sentido o discurso do Partido dos Trabalhadores (PT) em dizer que existe um "golpe" no Brasil. Toda vez que uma personalidade ou instituição rebate a ideia do golpe, a presidente afastada Dilma Rousseff costuma mostrar um contra-ofensiva, mas não foi o caso. Aliados da petista garantem que ela está "chateada" com o fato do discurso não ter colado como ela gostaria, mas que ela permanecerá na luta até o final. 

O comandante da Ajufe defende o trabalho da principal Operação investigativa em vigor no país, a Lava Jato.

Publicidade
Publicidade

Ele diz que a investigação é um marco no país e que por isso tem todo o apoio dos juízes brasileiros. O destaque no comando da operação ficou a cargo do juiz federal Sérgio Moro. Ele chegou a ser premiado pela revista federal Timer por conta de sua atuação, recebendo o título de uma das 100 personalidades mais influentes do mundo. Ele foi o único brasileiro presente na lista, que exibe políticos, atletas e celebridades. 

Não é a primeira vez que instituições ligadas à justiça defendem que o processo de impeachment da presidente Dilma corre na mais perfeita normalidade. O Supremo Tribunal Federal (STF), através de seus representantes, também deixou claro que a Constituição Brasileira prevê a deposição do presidente da república e que esse processo é legal e político ao mesmo tempo. 

Para quem não não lembra, o processo contra a companheira política do ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva começou ainda em dezembro do ano passado, quando Eduardo Cunha (PMDB - Rio de Janeiro), então chefe da Câmara, decidiu abrir um processo de impeachment assinado por três advogados, uma delas é Janaína Paschoal, professora de direito da Universidade Federal de São Paulo, a USP.

Publicidade

O processo foi aprovado pela Câmara e pelo Senado.  #Governo #PT #Crise-de-governo