O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva acusou investigadores da Operação Lava Jato de não conhecerem muito bem como funciona por dentro a maior estatal brasileira, a Petrobrás. De acordo com ele, a #Polícia Federal estaria dizendo categoricamente que, por ter sido ex-presidente, #Lula sabia de tudo o que ocorria na empresa, inclusive, o esquema de corrupção que hoje tem apuração na esfera federal pelo juiz Sérgio Moro.

Reclamações por citações contra Lula

Ele ainda reclamou do fato das delações premiadas estarem reverberando para ele. A declaração foi dada à TV Al Jazeera, transmitida na região árabe. "Eles estão coagindo os empresários a comprometer o Lula, dizer que o Lula participou", reclamou o ex-líder sindical na conversa com jornalistas 

Revelação de '100%' de honestidade

O companheiro da presidente afastada Dilma Rousseff argumentou que a postura da Polícia Federal é errada, pois ele não está sendo processado, nem foi indiciado.

Publicidade
Publicidade

Ele ainda disse que queria saber quando começariam a colocar crimes na conta dele. O ex-presidente contou estar tranquilo. "Duvido que algum delegado da polícia, seja mais honesto que eu", emendou o político na entrevista à Al Jazerra". 

Ex-presidente nas mãos de Moro

O político argumentou que as delações feitas pela Polícia Federal estariam sendo banalizadas demais e que isso comprometeria a credibilidade delas. Nesta segunda-feira, 13, o Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavacki, enviou apurações contra Lula para o juiz federal Sérgio Moro. A apuração é relativa a compra de um Tríplex no Guarujá e de uma cobertura em Atibaia. 

Ele ainda comentou as condições de Dilma Rousseff, que enfrenta um processo de impeachment. De acordo com o petista, o Partido dos Trabalhadores não estaria utilizando de nenhum estratégia específica, mas que esse era o melhor momento para sua antecessora lutar contra o impedimento.

Publicidade

O ex-presidente contou também que a sociedade brasileira estaria constrangida por o país estar sendo governado pelo presidente em exercício Michel Temer, do PMDB.