Gleisi Hoffmann é uma Senadora do Partido dos Trabalhadores (PT) eleita pelo estado do Paraná que constantemente aparece na mídia por conta de suas efusivas defesas da presidente afastada Dilma Rousseff na Comissão do #Impeachment, que ocorre no Senado Federal. Ela acordou com um problemão para resolver na manhã desta quinta-feira, 23. O marido dela, ex-Ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, foi preso de forma preventiva por agentes da Polícia Federal. Ainda raiava o dia quando a informação começou a ser dada pelos principais veículos de comunicação. Mas Gleisi também pode ir parar na cadeia?

De acordo com a colunista Vera Magalhães, da 'Coluna Radar', a petista não é alvo da operação que prendeu o seu marido, a 'Operação Custo Brasil'.

Publicidade
Publicidade

Isso porque o processo não parou no Supremo Tribunal Federal (STF). Por ter foro privilegiado, o processo se estivesse relacionado à petista precisaria passar pela mais alta corte do país, o que não ocorreu. A operação 'Custo Brasil' é um braço da Lava Jato, que apura os desvios de corrupção da maior estatal brasileira, a Petrobrás. Quem ajuda a Polícia Federal na apuração dos fatos são a Receita Federal e o Ministério Público Federal. 

São investigadas pessoas de pagarem propina em serviços de informática realizados entre 2010 e 2015. Os custos desses serviços são na ordem de R$ 100 milhões. Até o fechamento desta reportagem, os agentes da Polícia Federal ainda continuavam no apartamento do ex-Ministro de Dilma, que fica na cidade de Curitiba. De acordo com informações da TV Globo, até às 08h20 no horário de Brasília ele ainda estava no local.

Publicidade

Quem também estaria na residência é a mulher dele, a Senadora Gleisi Hoffmann.

Jornalistas blogueiros que costumam defender o #PT também foram chamados para fazerem depoimentos de forma coercitiva. Um deles é vinculado ao site 'Brasil 247'. Policiais querem saber se o dinheiro desses serviços de informática teriam sido usados em campanhas na internet. Ao todo, foram 11 mandatos de prisão e 40 de buscas e apreensão.  #Dilma Rousseff