Na semana passada, um #Crime chamou a atenção de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Uma estudante universitária havia dito que foi estuprada. Aos 19 anos, ela criou uma mentira que teve grande repercussão local e nacional. Tudo começou depois que a adolescente publicou no Facebook o relato de um suposto abuso. O post foi realizado dias depois de um estupro coletivo no Rio de Janeiro ganhar atenção de todo o país, quando uma menina de 16 anos disse que foi abusada por 33 homens. A menina não só publicou o abuso, como também um desenho de um suposto abusador.

A mentira acabou com a quase morte de um homem, que aparentemente a jovem sequer conhecia.

Publicidade
Publicidade

Ele foi espancado por populares ao passar perto do local onde aconteceu o então crime de estupro. O homem teve traumatismo craniano e está internado lutando para sobreviver. A Polícia já havia dito que o homem que foi espancado e o desenho da foto sequer eram parecidos e não entendeu o que aconteceu com os populares.

Nesta quinta-feira, 09, de acordo com o G1, a jovem decidiu contar que tudo o que disse era uma grande mentira. Agora ela pode ser presa por até seis meses por comunicar uma falsa informação. A Polícia já suspeitava que o caso fosse uma inverdade após os depoimentos da jovem serem inconscientes e com vários pedaços que não faziam sentido. A estudante decidiu ir novamente nesta quarta-feira, 08, à delegacia, onde revelou que mentiu. Os motivos para a mentira não foram explicados.

Publicidade

Inconsistência na fala de estudante aumentou suspeita de mentira 

A própria polícia já tinha pego dados da garota e não encontrou, por exemplo, informações que se coincidissem com o horário que ela revelou que aconteceu o crime. A garota sequer passava pelo ponto de ônibus onde ela comunicou o então estupro. 

Acredita-se que a garota tenha quisto dar atenção aos crimes de assédio, mas que exagerou ao inventar uma histórias nas redes sociais, especialmente porque a sociedade ficou mais fragilizado ao crime de estupro depois do que aconteceu com uma adolescente carioca.  #Investigação Criminal