Compareceu nesta segunda (27), na delegacia de Conceição do Araguaia, no Tocantins, a adolescente de 13 anos que havia denunciado o ex-jogador do Botafogo, Jobson de Oliveira, por estupro, na última quinta (23). Neste segundo depoimento, a menina negou tudo e disse que, na verdade, não foi violentada pelo acusado.

Até então, o jogador era suspeito de ter dado bebidas alcoólicas e de abusar desta menina e de mais três outras jovens, uma de 12 anos e outras duas de 14 anos, que estavam em sua chácara localizada em Conceição do Araguaia, residência que ele mora desde a época em que foi afastado do time do Botafogo.

Em seu depoimento, a adolescente desmentiu toda a versão que tinha contado anteriormente, junto com as outras meninas, no dia da prisão de Jobson.

Publicidade
Publicidade

Na ocasião, ela relatou ter sido coagida e abusada sexualmente pelo jogador.

Em primeira instância, a menina foi encaminhada para a promotoria da cidade e as investigações agora têm como objetivo identificar se a vítima teria sofrido algum tipo de influência ou coação.

As demais meninas que disseram ser abusadas por Jobson, não voltaram atrás em suas versões e continuam afirmando os abusos ocorridos. Depois de fazer exames nas quatro meninas, foi comprovado conjunção carnal, porém, só duas das adolescentes afirmaram que foi relação consentida, embora estivessem sob efeito de drogas e bebidas alcoólicas.

“Nós temos exames que comprovam conjunção carnal, depoimentos de testemunhas e fotos. Até mesmo pelo juiz ter decretado a prisão preventiva dele, já apresenta uma certa materialidade dentro dos autos”, confirmou o delegado responsável pelo caso, Rodrigo da Motta França.

Publicidade

O atleta está preso desde o dia 23 de junho e no sábado, ele foi transferido para o presídio de Marabá, da Polícia Civil de Conceição do Araguaia. Ali ele vai permanecer em prisão preventiva até que ocorra o julgamento final.

Outros rapazes que também participaram do #Crime estão detidos junto com Jobson. São eles: Lucas Espindola, de 20 anos; Gilvan de Miranda Alves, de 29 anos; e outros dois jovens. Além dessa denúncia, o jogador ainda é investigado em um quinto caso de estupro, o que prejudica ainda mais a sua posição perante o crime. #Investigação Criminal #Casos de polícia