A Polícia Civil do Rio de Janeiro divulgou hoje que a adolescente de 16 anos que foi estuprada em morro da cidade, caso que ficou famoso em todo país, na verdade sofreu o abuso, no mínimo, em dois momentos. A informação foi divulgada por meio de nota sábado, 04. 

O crime aconteceu após a menina ir embora de um baile funk na manhã de sábado, 21 de maio. Ela estava com uma amiga, Lucas Perdomo, 20 anos, com quem afirma manter relacionamento, e Rai de Souza, 22 anos. De acordo com o que foi relato por um dos homens e foi divulgado na nota oficial da polícia, após o baile funk os quatro foram para uma casa abandonada localizada no morro da Barão.

Publicidade
Publicidade

Lá, Rai teve relação sexual com a menina de 16 anos, enquanto Lucas teve relação com a amiga da menina. Os dois rapazes estavam presos, mas Lucas foi liberado sexta-feira (03). De acordo com a delegada, não há provas suficientes de sua participação no crime. Já Rai continua preso temporariamente. Ele é suspeito de ter gravado o vídeo que rodou a internet e revoltou o Brasil. Lucas, entretanto, segue envolvido no inquérito.

De acordo com os depoimentos dados para o polícia, os dois homens e a amiga da menina foram embora da casa abandonada por volta das 10h do sábado, 21 de maio. A menina de 16 anos, entretanto, preferiu ficar na casa. Os seus amigos dizem que ela estava cansada, por isso não quis ir embora; há suspeita de que ela estava sob efeito de drogas.

Após irem embora, um grupo de criminosos encontrou a menina desacordada e ela foi levada para uma nova casa.

Publicidade

Essa casa é conhecida como "abatedouro", por ser famosa entre jovens da comunidade para prática de relações sexuais. Canário, apelido do traficante Moisés Lucena, teria carregado a menina para a casa. Ele está sendo procurado pela polícia. A menina de 16 anos afirma lembrar de acordar sendo segurada pelo traficante; ela o reconheceu por causa de sua tatuagem no braço.

Nessa segunda casa, os criminosos teriam violentado a menina; outros que passavam pelo local também teriam se juntado a eles. Não se sabe a quantidade de homens que abusaram a menina desacordada. Após cometerem o crime, foram embora.

De noite, a menina foi encontrada por Raphael Belo, Souza e pelo traficante Jefinho na casa. Foi aí que o vídeo teria sido gravado. Nesse momento, havia pelo menos três homens no ambiente. Souza teria gravado o vídeo e Raphael Belo tirou uma selfie ao lado da menina, ainda desacordada. Os dois estão presos e afirmam não terem abusado da menina. No vídeo, um dos homens toca nas partes íntimas da adolescente.

Publicidade

De acordo com lei alterada em 2009, isso é considerado crime de estupro.

O celular de Souza, que afirmava tê-lo jogado fora, foi encontrado pelos policiais na casa de um de seus amigos. A equipe está fazendo perícia no aparelho e o resultado será divulgado na próxima segunda-feira (06).

Saiba mais

Menina relembra o que viu ao acordar após estupro coletivo: 'Comecei a chorar'

Assista ao vídeo da nova entrevista dada por menina que sofreu estupro coletivo #Casos de polícia