Um estupro coletivo de um menino de nove anos chocou Fortaleza, no nordeste brasileira. Ele teria sido violentado pelos amigos de classe, todos entre 9  e 11 anos de idade. A informação foi confirmada nesta quarta-feira, 15, pelo jornal 'O Estado de São Paulo'. Tudo ocorreu na escola onde o garoto, que tem necessidades especiais, estudava. Novas testemunhas sobre o caso foram ouvidas nesta terça-feira, 15, por policiais da Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA).

A família, de origem pobre, tenta agora ajuda com advogados para processar o município. O pai do menino, que preferiu não ser identificado, contou que está muito abalado.

Publicidade
Publicidade

No entanto, que o filho dele não ficaria sem educação. A criança já está em outra escola tendo aulas. O estupro teria ocorrido no início do mês. Ainda nesta quarta, a família deve conversar com o conselho tutelar sobre o #Crime.

Uma diretora da escola municipal onde ocorreu o estupro coletivo do menino cadeirante foi chamada para depôr. Ela não teria acreditado nos país, quando esses relataram o que aconteceu. O menino passou por exames de corpo de delito, que confirmaram que ele realmente foi violentado sexualmente. A Polícia agora deve investigar quem teria cometido esse abuso e se o estupro foi mesmo realizado por crianças da escola municipal. 

De acordo com os pais da criança, o menino teria sido violentado por cinco garotos. Estes teriam se dividido. Enquanto um tapava a boca da criança, evitando que essa gritasse, outra criança a segurava e assim ocorreu a violência.

Publicidade

A família precisou mudar de cidade e de escola para evitar que o garoto possa ser novamente ameaçado. 

O caso chocou Fortaleza e também as redes sociais. "Meu Deus, não posso acreditar que outras crianças tenham feito isso com o menino deficiente. As pessoas não podem nascer tão ruins assim", disse um internauta revoltado. O menino, apesar dos ferimentos, passou por exames e está bem de saúde. O maior abalo teria sido o psicológico. Ele pode passar por tratamento com uma equipe especializada.  #Investigação Criminal