Nesta quinta-feira, 02, a morte de um menino de 10 anos começou a gerar muita polêmica na internet. O garoto levou três tiros de policiais militares depois de furtar um carro. A PM investiga se o caso pode ser uma execução ou se o depoimento dos militares, que alegam legítima defesa, confirmará que o menino realmente trocou tiros com os profissionais de segurança. Apesar do pouco tempo de vida, o menor de idade já tinha três passagens por abrigos públicos. O menino se chama Ítalo de Jesus Siqueira, como toda criança tinha os seus sonhos, queria ser cantor.

No entanto, a família de Ítalo é problemática. Nas três vezes em que foi parar em um abrigo, os pais estavam na cadeia.

Publicidade
Publicidade

Até hoje o pai do menino ainda continua preso. Já são três anos pagando pela pena de tráfico de drogas. Deixou o filho aos sete com a mãe, uma faxineira. A mãe também ficou anos na cadeia, mas acusada de outro #Crime, roubo. Coube à avó da criança, Zenaide, cuidar do menino e de todos os seus irmãos. Aos 56 anos, ela dava duro como manicure para sustentar as crianças. 

Ao todo, os pais de Ítalo tiveram quatro filhos. Ele é o segundo mais velho de todos. O garoto cresceu no Morro do Piolho, entulhado no meio de barracos. Do local, ele podia ver prédios de classe média, um vislumbre para uma melhora de vida. O pai dele, antes de ser preso, tentou a carreira de MC. Fernando de Jesus Siqueira era o MC Bocão. Agora ele se contenta em pensar em novas letras na prisão. 

A mãe do menino morto por policiais militares, Cintia Ferreira Francelino, disse que o garoto gostava de cantar e já escrevia as próprias músicas.

Publicidade

Ela ainda garantiu que o menino prometia sustentá-la. Cintia recebe cerca de R$ 400 por mês como faxineira. Dinheiro que não é suficiente nem mesmo para ela comer. A doméstica é separada do pai do garoto, que não poderá ir no enterro do próprio filho.

De acordo com uma reportagem do jornal 'O Globo' publicada neste sábado, 04, o menino era visto como  bem humorado pelos vizinhos. Ele continuava estudando e estava no segundo ano do Colégio.