Mais um caso de estupro coletivo choca o país e, desta vez, a vítima tem apenas 9 anos e é um menino. O #Crime aconteceu em uma escola pública, na cidade de Fortaleza, e os pais da criança já denunciaram a #Violência sexual cometida contra o filho. Os principais suspeitos são alunos da própria escola e a mãe da vítima informou à polícia que, há mais de dois anos, o filho vinha sofrendo bullying.

A ocorrência foi registrada no 34º Distrito Policial e as investigações serão sigilosas para não atrapalhar a polícia. O pai do menino violentado já confirmou junto ao IML, através de um laudo fornecido pelo instituto, que a criança foi mesmo estuprada.

Publicidade
Publicidade

O pai informou que, na segunda-feira (06), foi até a escola, como sempre faz, para buscar o filho só que, ao chegar ao local, se deparou com a criança chorando muito. Preocupado, o pai que não quis se identificar perguntou ao filho o que tinha acontecido, só que o menino estava nervoso, tremia muito e com muita dificuldade ele só conseguiu dizer que alguns meninos da escola "fizeram maldade" com ele.

Revoltado, o pai foi imediatamente registrar o BO e, acompanhado de um policial, foi até o IML, onde foi realizado o exame de corpo de delito que veio a confirmar a violência. Mais tarde, a mãe do menino violentado contou que o filho chegou a revelar o que aconteceu na escola, onde, de acordo com a criança, ele foi amordaçado por 5 estudantes que tamparam sua boca para que não gritasse pedindo ajuda e, assim, ele sofreu o abuso sexual lá dentro da escola.

Publicidade

Por diversas vezes, o pai do menino foi até a direção da escola reclamar que o filho vinha sofrendo bullying, inclusive contava sobre as agressões sofridas pela criança, mas sempre ouvia a mesma promessa de que iriam tomar providências, só que nunca fizeram nada para resolver esta situação.

A Secretaria Municipal de Educação já entrou no caso e vai realizar uma sindicância para descobrir quem são os culpados. A escola será acompanhada pela Célula de Acompanhamento Social para que todos os detalhes possam ser levantados e, assim, conseguir chegar a quem realizou a violência sexual como também àqueles que nada fizeram para que isso não acontecesse.

O menino precisou ser transferido da escola e os pais continuam revoltados, com toda razão, já que o problema poderia ter sido evitado. #Casos de polícia