A maior penitenciária do Brasil fica no estado de Pernambuco e abriga presos da mais alta periculosidade. Tanto que eles criaram uma favela dentro dos pátios do presídio com alguns setores bem definidos. O principal deles é o 'minha cela, minha vida', parodiando o programa do governo federal, Minha Casa Minha Vida. Essa área é uma espécie de área vip destinada a presos que têm condições financeiras para manter o luxo, porque são ligados ao comando do narcotráfico local.

Em uma visita ao Complexo do Curado que atualmente abriga cerca de sete mil detentos, dois juízes e dois advogados da Corte Interamericana de #Direitos Humanos ficaram impressionados com a cena de que foram testemunhas.

Publicidade
Publicidade

O maior presídio do Brasil está localizado a sete quilômetros de Recife, e é também classificado como um dos maiores da América Latina. Sua capacidade é de apenas 1,8 mil presos, mas hoje possui a maior população carcerária brasileira.

De acordo com informações, cerca de 300 agentes penitenciários fazem a segurança de três unidades do complexo do Curado, o que é considerado um numero insuficiente para tomar conta de tantos prisioneiros. Não por acaso, as denúncias de violação dos direitos humanos se amontoam nas mesas dos magistrados e, segundo especialistas, a vida de quase cem mil pessoas que vivem nos arredores pode estar correndo risco.

Milícia do Chaveiro 

O pesquisador da ONG Justiça Global, Guilherme Pontes, era um dos integrantes da comitiva que visitou no dia 8 de junho a unidade prisional, tendo elaborado um relatório.

Publicidade

Segundo ele, é preciso conhecer um 'chaveiro' que mostra o caminho (do presídio) que pretende ser transferido, 'e ai você negocia o aluguel com ele', diz o pesquisador. O detento precisa desembolsar uma quantia de R$ 120 semanais para ter direito a uma área vip, que nada mais é do que espaços especiais feitos em favelas construídas dentro dos pátios das unidades prisionais.

Os 'chaveiros' são os próprios presos que fazem a segurança do presidio, por causa da carência de agentes penitenciários. Eles têm as chaves das celas e determinam quem pode ou não sair. Além de cobrar pedágio, eles aplicam castigos e torturas para quem descumprir as regras. A parte Vip da área "Minha Cela Minha Vida" são barracos feitos de madeira e alvenaria, alguns até com dois andares, diz impressionado à BBC Brasil o curador da justiça. A Secretaria de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco garantiu que apresentou à comitiva planos de emergência com relação a saúde da área prisional, garantindo todos os seus direitos legais. #Comportamento #Sistema prisional brasileiro