De acordo com o 'Blog do Moreno', do jornal 'O Globo', em matéria publicada nesta terça-feira, 07, um Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) comentou de forma esclarecedora o pedido de prisão feito pelo Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, a quatro nomes da política brasileira: Romero Jucá, Renan Calheiros, José Sarney e Eduardo Cunha. Para o Ministro, que não teve nome revelado, Janot teria vazado o pedido de prisão por não conseguir nada de Teori, presidente do Supremo. 

O pedido de prisão de três dos nomes citados anteriormente, Renan, Sarney e Jucá, foram baseados em gravações feitas pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado.

Publicidade
Publicidade

Nessas gravações, os políticos falam em especial das investigações da Lava Jato, citam nomes como o da presidente afastada Dilma Rousseff e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No entanto, não fica claro qualquer trama contra a Lava Jato em si, tese do pedido de prisão solicitada por Rodrigo Janot. 

O Ministro do STF entrevistado pelo 'Blog do Moreno' compara as gravações feitas por Machado com o do ex-Ministro do #Governo Dilma, Aloysio Mercadante. "Mercadante ofereceu dinheiro para barrar investigações. Esses três defenderam teses, inclusive a de projetos para regular delação", explicou o representante da mais alta corte do país. Em seguida, o Ministro do STF disse que dialogar sobre política não pode ser considerado #Crime

Além disso, de acordo com o representante do Supremo, especula-se que Sérgio Machado foi quem vazou os áudios na imprensa.

Publicidade

Caso isso seja comprovado, as provas podem ser ditas nulas para a delação. Outra coisa que pode complicar a delação é se as gravações foram combinadas ou não com a Procuradoria. De acordo com o Ministro do SFT, "flagrante preparado" não tem qualquer efeito legal. 

O representante da instituição mais alta da justiça brasileira disse que pelo o que conhece dos colegas o pedido de prisão não será aceito. Apesar disso, por conta dos nomes envolvidos, de acordo com a fonte do jornal 'O Globo', Teori deve abrir uma votação com todos os Ministros sobre o caso.