A família Bolsonaro quer crescer cada vez mais no espaço da política brasileira. Atualmente, dois políticos com o sobrenome estão com mandatos em vigor, ambos pelo PSC do Rio de Janeiro. Jair e seu filho, Flávio, são deputados federais. O pai, mais famoso dos dois, acabou sendo simplesmente o parlamentar mais votado do Rio de Janeiro e um dos recordistas de votos no Brasil.

Ele evita falar do assunto, mas é um dos pré-candidatos à presidência em 2018. Milhares dos fãs do político chamado de "mito" usam avatares no Facebook com o nome dele. Um dos fãs de Bolsonaro, inclusive, acabou sendo demitido recentemente por suas convicções políticas.

Publicidade
Publicidade

Ele trabalhava em uma empresa de quadrinhos, sediada nos Estados Unidos.

O filho de Bolsonaro, Flávio, também quer ser bem mais do que deputado federal. Seu sonho agora é ser prefeito de uma das maiores cidades do país, o Rio de Janeiro. A candidatura dele foi confirmada em uma evento realizado nesta semana. O evento contou com mais de 800 simpatizantes a Flavio. O político foi chamado de "mitinho" aos gritos. A oficialização da candidatura à prefeitura aconteceu na Bolsa dos Valores da cidade olímpica. 

Ao ser confirmada a candidatura, Flávio fez um discurso prometendo seguir os mesmos preceitos do pai. Ele disse que será firme, por exemplo, com as ideias de direita. O político continuou explicando que não está afim de ser garoto simpatia e que falará o que pensa, não necessariamente apenas para conseguir votos. 

"Não vou fazer campanha preocupado só com voto.

Publicidade

As pessoas vão votar conscientes das posições que temos sobre vários assuntos e sobre nossas propostas", começou o pré-candidato a defender sua campanha à prefeitura. "Não vou falar uma coisa na campanha e fazer outra depois", explicou o descendente do clã Bolsonaro.

Ele terá adversários fortes. Um deles é o Senador Romário Farias, do PSB. Romário e Flávio são considerados os favoritos nesse início de campanha. O Senador chegou a pensar em não tentar a prefeitura do Rio, deixando seu trabalho apenas para o Congresso Nacional.  #Governo #Crise