Depois do juiz federal Sérgio Moro, a figura mais conhecida da Operação Lava-Jato, sem dúvidas, é o policial federal Newton Ishii. Por aparecer prendendo o tempo todo políticos e empresários, ele passou a ser admirado por muitos brasileiros e ganhou até apelido, "japonês da federal". No entanto, os tempos de herói do "japonês" parece que acabaram. Isso porque nesta terça-feira, 07, nem mesmo Sérgio Moro foi capaz de impedir que Newton Ishii fosse preso. De acordo com informações do G1 em reportagem publicada nesta quarta-feira, 08, a prisão foi motivada por contrabando. Curiosamente, o mandato partiu do próprio estado onde o "japonês" trabalha, no Paraná.

Publicidade
Publicidade

A capital paranaense, Curitiba, chegou a ganhar o título de república, já que partia dali várias informações importantes para o Brasil. E o ex-herói do povo brasileiro não pode sequer recorrer à decisão. Ou seja, ele ficará realmente preso. O policial, assim que ficou sabendo da decisão de prendê-lo, decidiu se apresentar de livre e espontânea vontade na Superintendência da Polícia Federal. Dessa forma, ninguém acabou realizando o trabalho que ele exerce, que é justamente acordar cedinho para conduzir suspeitos e condenados. Ele continua detido no local à espera de uma decisão para onde será transferido. 

O "japonês" foi condenado há quatro anos e dois meses de prisão. A prisão ocorreu depois da própria Polícia Federal realizar uma operação, a "Sucuri", na qual ficou descoberto que diversos agentes federais estavam ajudando a facilitar o contrabando no país.

Publicidade

Os produtos entravam no país sem pagar impostos, fazendo com que ocorresse à concorrência desleal. O preso deve perder ainda o cargo de servidor público, já que o #Crime que ele cometeu pode ser considerado improbidade administrativa. 

Antes de ser preso, o agente federal conhecido em todo o país chegou a virar máscara e até marchinha de Carnaval. Neste ano, uma das finalistas de marchinha do ano falava justamente dele. O policial federal preso preferiu não comentar a decisão judicial.