18 pessoas, entre elas estudantes universitários, tiveram a vida interrompida em um acidente registrado na noite desta quarta-feira, 08, na rodovia Mogi-Bertioga. Os alunos eram de três universidades diferentes de São Paulo. O motorista também morreu. De acordo com relatos de sobreviventes e também de famílias das vítimas que conversaram com os universitários antes da morte, o motorista teria brigado com alguns passageiros antes de bater. 

O caso está sendo investigado pelo delegado Fábio Pierry. A única coisa que se sabe até o momento é que o condutor do veículo estava acima do limite de velocidade permitido. Em entrevista ao 'Jornal Hoje', da TV Globo, um dos estudantes que machucou a cabeça, disse que minutos antes do ônibus bater, os universitários já tinham percebido que o motorista não tinha o controle do veículo.

Publicidade
Publicidade

Ele revelou que teve tempo de colocar o cinto de segurança e de se agarrar em um banco. 

A rápida reação do jovem pode ter ajudado ele a salvar a própria vida. Um irmão do motorista disse que ele havia dito que demoraria mais para chegar porque a serra estaria com alta neblina. A Polícia negou a informação e contou que não chovia nem havia neblina no momento do acidente. 

O presidente em exercício, Michel Temer, do PMDB, disse que estava chocado com o acidente que vitimou 18 pessoas na Mogi-Bertioga. A morte dos universitários é um dos assuntos mais pesquisados e comentados da internet. 

Uma das estudantes que faleceu disse à mãe que o motorista estava acima da velocidade. A senhora disse à TV Globo que chegou a ouvir uma discussão do motorista com os passageiros. O delegado do caso revelou que os celulares encontrados com os corpos dos mortos não param de secar.

Publicidade

Um pai chegou a receber a informação que o filho teria falecido. Ele tentou identificar os corpos no local, mas para a sorte dele, o garoto está vivo. Ele está internado em um hospital do Litoral. 

A Polícia agora tentará entender o que causou o grave acidente, que chamou a atenção por envolver muitas pessoas jovens.  #Crime #Investigação Criminal