Ministério Público do Paraná (MP-PR) decidiu denunciar o designer de tatuagem Laércio Moura, de 53 anos. Ele ficou conhecido por ter participado da décima sexta edição do 'Big Brother Brasil'. Laércio há estava preso desde o dia 16 de maio  acusado de se relacionar sexualmente com uma menina menor de idade, quando essa tinha ainda 13 anos, o que pela legislação é pedofilia. O Ministério Público agora acusa Laércio de fornecimento e tráfico de drogas, além da tentativa de estupro. A informação foi confirmada nesta quarta-feira, 15, pelo jornal Extra do Rio de Janeiro. De acordo com a publicação, caso condenado, o ex-BBB pode pegar até 68 anos de cadeia.

Publicidade
Publicidade

Laércio foi preso depois que a Polícia Civil do Paraná encontrou provas que o incriminam. Em uma conversa de uma rede social, por exemplo, o "barba azul", incentivaria a vítima a beber e ter relações íntimas com ele. Outras provas não divulgadas pelos investigadores teriam sido encontrados em computadores, celulares e em um pen drive. Essas também devem ser incluídas no inquérito contra o homem que foi eliminado pela jornalista Ana Paula Renault na casa mais vigiada do Brasil. 

A família tem feito viagens contantes para ver Laércio. Parentes garantem que ele está muito tranquilo. Por enquanto, ele continua em uma casa de custódia. O objetivo é evitar que ele fique com outros presos que, de alguma maneira, possam agredir-lo. Isso porque o #Crime de estupro é mal visto nos presídios brasileiros.

Publicidade

Advogados do designer de tatuagem dizem que ele nega o crime de violação. Moura teria dito que só conversava com garotas pela internet e que nunca houve relação carnal. Uma das vítimas, no entanto, disse à Polícia que transava com ele e que ele dava bebidas  e drogas para ela. 

O crime de estupro supostamente cometido por Laércio apareceu na mesma época que uma menina de 16 anos contou ter sido abusada sexualmente por 33 homens no Rio de Janeiro. O caso repercutiu no Brasil e no mundo. A jovem entrou no Programa de Proteção à vítima e mudou de estado.  #Investigação Criminal