O caso de Laércio de Moura, que esteve no reality BBB16, deu mais um passo. O Ministério Público do Paraná (MP-PR) denunciou o curitibano por tráfico de drogas, estupro de vulnerável e por oferecer produtos que causam dependência psicológica ou física, além de bebida alcoólica para crianças e adolescente.

Preso por suspeita de estupro de vulnerável desde 16 de maio, Laércio agora pode se tornar réu. Isso vai depender de a Justiça aceitar ou não a denúncia realizada pelo Ministério Público do Paraná. De acordo com o portal G1, o advogado do ex-BBB disse que ainda não recebeu informações sobre a denúncia.

O caso de suspeita de estupro de vulnerável

Tudo começou quando ele ainda estava no reality.

Publicidade
Publicidade

Depois da imagem dele ser estampada na Globo, o curitibano começou a ser acusado nas redes sociais de embebedar menores e abusar delas. No programa ele também contou que se relacionava com menor de idade, o que causou confusão e discussão.

Denúncias foram encaminhadas para a polícia, que passou a acompanhar Laércio. Durante a investigação, a polícia encontrou uma vítima que, em 2012, quando tudo aconteceu, tinha apenas 13 anos de idade.

Hoje, a adolescente tem 17 anos e confirmou tudo. Alguns prints com mensagens enviadas por Laércio ajudaram a comprovar #Crime.  Ele foi preso e está na Casa de Custódia de Curitiba, dividindo espaço com mais cinco detentos.

O ex-BBB nega as acusações, mas ele é suspeito também de oferecer bebidas a menores. A menina conheceu Laércio em um evento e, após isso, ele começou a abordar a adolescente de 13 anos através de mensagens nas redes sociais.

Publicidade

A família só soube do ocorrido quando a polícia entrou no caso. O suposto “relacionamento” teria durado aproximadamente três anos.

Mais denúncias envolvendo o ex-BBB foram feitas e estão sendo acompanhadas pela polícia. Não há data prevista para a divulgação do aceite ou recusa da denúncia feita pelo Ministério Público do Paraná. Por enquanto, Laércio segue preso em Curitiba, capital do Paraná, sem direito a fiança. A polícia continua acompanhando o caso e investigando.  #Investigação Criminal #Casos de polícia