Michel de Souza tem de 25 anos. Um rapaz bonito e bem humorado. A vida dele começou a ter uma mudança depois que ele compartilhou uma foto polêmica nas redes sociais. A imagem mostra uma passageira que sentou à força em seu colo. A imagem foi publicada ainda na quarta-feira, 15, mas só agora o jovem falou sobre o assunto. Em entrevista ao jornal carioca Extra nesta sexta-feira, 17, ele disse que a mulher ficou muito irritada porque perdeu a famosa briga por lugares nos trens cariocas. Ela disse que deveria ir sentada por ser mulher. Para ele, ser cavalheiro seria um sinal de machismo, já que ela não mereceria mais o lugar do que ele só por ser mulher. 

O jovem confessou na entrevista que tem recebido muitas críticas nas redes sociais, mas que também tem se apegado com os amigos, que estão dando todo o apoio necessário.

Publicidade
Publicidade

Michel conta que cede o seu lugar quando vê que uma pessoa está muito cansada ou quando realmente tem uma necessidade física para tanto. É bom dizer que as mulheres já possuem um vagão especial só delas no Rio de Janeiro. O sistema foi criado depois que as passageiras reclamaram de constantes abusos no transporte público. 

O jovem disse que está acompanhando a repercussão em alguns sites, que lê os comentários negativos, mas que não liga. De acordo com ele, ao todo foram 16 estações com a mulher sentada no colo dele. O rapaz disse que a certa hora fingiu que não estava se incomodando com o peso da senhora e colocou sua cabeça no braço dela. "Ela ficou com ainda mais raiva", revelou. 

Mesmo após a perna ficar dormente, ele decidiu que bateria o pé e não desistiu. A mulher só saiu do colo dele, quando outra passageira decidiu descer e cedeu seu lugar para a mulher que queria de qualquer jeito viajar sentada.

Publicidade

Nas redes sociais, feministas acusam o rapaz de abuso. No entanto, de acordo com a legislação, ele não teria cometido qualquer ilegalidade. A única coisa que poderia dar problemas legais para o jovem, de acordo com um jurista ouvido, é o fato dele expôr a mulher nas redes sociais.  #Crime #Investigação Criminal