O irmão de Raphael de Assis Duarte Belo, de 41 anos, Alex Belo, confirmou nesta quarta-feira,  1º, que o suspeito de integrar um estupro coletivo no Rio de Janeiro se entregou à Polícia Civil. Ele era um dos quatro suspeitos considerados foragidos após terem supostamente violado uma adolescente de 16 anos. "Estamos esperando mais novidades, mas ele se entregou sim", disse o parente do preso. Raphael ficou conhecido após ter publicado uma foto fazendo uma selfie com o corpo na menor de idade nua. A imagem ganhou as redes sociais e ajudou os investigadores a começarem a apurar o #Crime.

Mais cedo, uma carta publicada por Raphael trazia o pedido de desculpa dele à menina e a todos os brasileiros.

Publicidade
Publicidade

Até então, o foragido confessara que não tinha pego nada de sua casa, nem dado adeus para família, mas que estava muito arrependido de ter feito uma foto. Ele negou que tenha realizado qualquer relação sexual com a menor de idade. "Foi só zoação. Não houve estupro", explicou ele. O homem trabalhou como auxiliar de cinegrafista da TV Globo até o ano passado. O motivo da demissão não foi explicado pela emissora. 

Ele atualmente trabalha como agente comunitário no Morro do Barão, localizado em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Foi ele quem levou a jovem de volta para casa e explicou para a família dela que a menina estava passando muito mal. Antes da garota indicar onde morava, ele ainda a levou até a casa dele, onde a adolescente tomou um banho. Por lá, ela se alimentou. O agente comunitário disse que apenas quatro pessoas entraram no cômodo e zoaram a menina com o vídeo.

Publicidade

Um quinto morador apenas entrou para reclamar de um vazamento. 

Moradores da região protestaram afirmando também que não houve estupro coletivo. A Polícia Civil diz ter total convicção que aconteceu o estupro, mas as condições deste ainda são investigadas. A menina está sobre proteção de um programa social para preservar sua imagem. Ela mudará de nome e de estado. A proteção dura três anos e pode ser estendida.  #Investigação Criminal