De acordo com o site G1, na noite de terça-feira (7), uma menor de 14 anos foi vítima de estupro coletivo na cidade de Pajeú do Piauí, distante cerca de 460 km de Teresina.

Em entrevista concedida ao programa Piauí TV, o delegado William Morais, gerente de policiamento daquele Estado, declarou que as informações obtidas são de que a menor foi vítima de estupro coletivo cometido por três adolescentes e um adulto, que já foram reconhecidos e estão sob custódia da polícia de Canto do Buriti.

Um morador de Pajeú afirma que a menor de 14 anos avisou a madrasta que iria ao centro poliesportivo às 16h, e a mulher, ao perceber sua demora para retornar para casa, resolveu procurá-la, por volta de 18h30.

Publicidade
Publicidade

Chegando no ginásio, buscou pela enteada e acabou encontrando-a desacordada e nua no banheiro, sendo estuprada por 4 rapazes. Ao se deparar com a cena, tentou segurar os suspeitos, mas todos conseguiram fugir pulando o muro do local.

A menor de 14 anos relatou que ao encontrar os rapazes no ginásio, aceitou um refrigerante oferecido por um deles e que, após ter ingerido a bebida, não se lembra do que aconteceu. A menina ainda teria dito que conhecia um dos agressores e que ambos já haviam tido um relacionamento prévio.

A menor foi conduzida para Teresina, ainda na noite de terça-feira, para a realização de exames. Na manhã de quarta-feira (8), recebeu atendimento psicológico no Serviço de Atenção às Mulheres Vítimas de #Violência Sexual (SANVIS), nas dependências da Maternidade Dona Evangelina Rosa.

Publicidade

Em depoimento, os suspeitos declararam que foi oferecida bebida alcoólica à menina e que o ato sexual teria sido feito de forma consentida. Entretanto, o delegado esclarece que o caso envolve “uma garota de 14 anos, possivelmente sob efeito de bebida alcoólica ou outra substância, fatos que por si só já caracterizam o estupro”.

O caso segue em investigação pela Delegacia Geral de Teresina e é o terceiro #Crime de estupro coletivo noticiado no ano de 2016, dois no Piauí e um no Rio de Janeiro. #Casos de polícia