Segundo a delegada à frente do caso, o primeiro vídeo compartilhado em redes sociais já teria sido o suficiente para comprovar o estupro da adolescente de 16 anos cujo caso levou à indignação de mulheres e homens por todo o país.

Apesar de outros tantos terem proferido sua sentença ao afirmar que a índole da garota levantava a suspeita de que não havia ocorrido um estupro, mas uma orgia, o que se comprova com o novo vídeo descoberto pela polícia é de que houve, sim, estupro e que traficantes do Morro da Barão estariam envolvidos.

A filmagem, encontrada no celular de um dos acusados, Raí de Souza, mostra claramente uma tentativa de abuso à qual a adolescente reage, prova que não deixa mais dúvidas sobre o #Crime.

Publicidade
Publicidade

Até o momento, há comprovações de que a garota fora estuprada no sábado de manhã e no domingo à noite, por pelo menos 4 pessoas, havendo ainda um intervalo de cerca de 30 horas que precisa ser apurado. De acordo com a delegada Cristiana Bento, o que a polícia deve apurar agora é a extensão do mesmo.

Em um dos vídeos, Raí e o jogador de futebol Rafael Morais, insinuam que mais de 30 haviam participado do ato - ao que parece, uma referência a um funk de Mc Smith. Em depoimento à polícia, a vítima disse ter acordado no domingo, nua e dopada, e ter visto 33 homens armados no quarto em que estava.

No mesmo celular em que foram gravados os vídeos foi encontrado um áudio no qual se revela que as manifestações em favor dos suspeitos, realizadas pelos moradores da comunidade, teria sido ordenada por um dos chefes do tráfico na região.

Publicidade

Ainda em entrevista ao programa Fantástico, a delegada negou a ideia, que vem sendo difundida, de que traficantes não permitem o estupro dentro das comunidades que comandam. Em suas próprias palavras, "isso não existe".

Jurada de morte pelos traficantes do Morro da Barão, a adolescente teve de deixar o Rio de Janeiro. A raiva dos criminosos foi provocada pelas denúncias do estupro, o que chamou a atenção da polícia para a localidade e está atrapalhando os "negócios". #Investigação Criminal #Casos de polícia