A polícia continua investigando o caso da menina de 16 anos que alega ter sido estuprada por 33 homens. A Delegacia da Criança e Adolescente Vítima encontrou nesta última sexta-feira (03), um vídeo que traz novos esclarecimentos ao caso que ainda não tem uma solução definitiva.

Um dos suspeitos, de nome Raí, havia dito que tinha destruído o celular com o qual gravou as imagens da jovem sendo violentada, mas a polícia conseguiu localizar o aparelho e já está de posse do mesmo para tentar esclarecer o caso.

Os investigadores chegaram ao aparelho graças a um mandado de busca e apreensão expedido pela Justiça e agora o telefone já está nas mãos dos peritos.

Publicidade
Publicidade

O celular vinha sendo muito bem guardado por um dos amigos do rapaz. Na memória do aparelho, a polícia encontrou várias imagens que comprovariam a veracidade do estupro e como ele teria acontecido.

Segundo os depoimentos colhidos até o momento, o local onde o #Crime ocorreu é um imóvel abandonado no Morro da Barão, no Rio de Janeiro. O novo vídeo, encontrado no celular de Raí, mostra os estupradores introduzindo objetos nas partes íntimas da garota, que aparece desacordada nas imagens.

Uma outra gravação mostra a jovem começando a recuperar sua consciência enquanto é estuprada, mas a mesma não consegue reagir por causa de seu estado. Mesmo assim, pede para que os homens parem de violentá-la. Ao invés de atender ao pedido, eles começaram a humilhá-la.

Raí, o autor da filmagem que foi divulgada no Twitter, continua preso.

Publicidade

A polícia compreende agora que a menina foi estuprada pelo menos em duas ocasiões e em locais diferentes. O traficante Moisés Camilo de Lucena, conhecido como Canário, suspeito de participar do abuso, está sendo procurado.

As últimas descobertas feitas pela polícia dão conta de que a garota já tinha sido estuprada nesta mesma comunidade em 2015 e que naquela vez o responsável pela #Violência foi um homem conhecido por Carlinhos.

Outra revelação importante feita polícia é que, também em 2015, naqueles arredores, uma outra garota de apenas 14 anos foi violentada por um traficante durante uma orgia. Como ela teria reclamado de que o local estava muito sujo, acabou levando um tiro na cabeça. Apesar da gravidade, a jovem sobreviveu. O caso segue em investigação até hoje.  #Casos de polícia