Um aspirante da Polícia Militar de Goiás acabou morto durante um dia de trabalho. O homem identificado como Renato Montalvão tinha 34 anos e faleceu ao atender uma ocorrência. As primeiras informações davam conta que o crime aconteceu na casa do suspeito, um gesseiro de 42 anos. No entanto, o suposto assassino invadiu uma residência e começou a quebrar tudo da casa. O Policial tentou controlar o gesseiro. No entanto, esse acabou o atingindo com uma faca.

A casa, de acordo com informações do G1 em reportagem publicada nesta sexta-feira, 10, é de um aposentado. O suposto assassino morava na rua onde ocorreu o #Crime. Não se sabe ao certo porque ele escolheu justamente aquela casa e decidiu quebrar tudo. 

A Polícia recebeu várias denúncias de moradores, que ligaram para a central telefônica dos agentes da lei.

Publicidade
Publicidade

A PM ouviu relatos da agressividade do gesseiro, que quebrava tudo o que via, além de ameaçar bater em quem aparecesse na frente dele. O homem também fez ameaças de que colocaria fogo na casa do aposentado. De acordo com o G1, a assessoria de imprensa da Polícia de Goiás contou que o suspeito estava completamente fora de si, mostrando-se visivelmente transtornado. 

No comunicado enviado pela entidade à imprensa, fica claro que Renato Montalvão foi chamado para controlar a situação e que tentou evitar que pessoas, inclusive o homem visto como seu assassino, pudessem se machucar na ação. Relatos de testemunhas dão conta que o gesseiro lançou um faca de longe, mas que essa foi certeira no tórax do policial. Os próprios moradores tentaram ajudar o PM, que foi levado em estado muito grave para um hospital da região.

Publicidade

O atirador da faca foi preso em flagrante. 

Horas depois, no entanto, Renato Montalvão veio a falecer. Familiares e amigos usaram as redes sociais para se despedir do homem. "Amigo, você morreu tentando salvar vidar. É o nosso herói. Infelizmente, não dão valor aos policiais brasileiros, mas você mostrou que sempre foi honrado e que existem boas pessoas na corporação", disse um colega de trabalho de Renato no Facebook.