Nesta quinta-feira, 23, mais uma etapa da Operação Lava Jato teve início, a de número 31. Nomeada 'Custo Brasil', a investigação teve como fato principal o pedido de prisão preventiva contra o ex-Ministros dos governos dos presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, Paulo Bernardo. Outra importante decisão tomada pela justiça foi uma mandado de busca e apreensão no Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores (#PT), que fica localizado no Centro de São Paulo.

O local foi cercado por policiais federais. De acordo com o UOL, a rua onde fica o Diretório do partido de Dilma foi fechada. Já o portal de notícias G1 afirma que provas foram apreendidas pelos agentes.

Publicidade
Publicidade

O site cita um computador e um HD externo. Acredita-se que ali possam estar dados reveladores que podem ajudar os agentes federais na investigação.  Ao todo, mais de dez policiais fizeram a segurança da própria Polícia Federal. Todos eles usavam roupas camufladas, não tão comuns de serem vistas, já que era agentes federais. 

Segundo o G1, o presidente do PT, Rui Falcão, que estava em Brasília quando a apuração começou, decidiu vir até São Paulo até a hora do almoço. De acordo com a legenda, a viagem de volta já estava programa e não teria a ver com a Operação #Lava Jato. Ao todo, a Polícia Federal cumpre 65 mandados judiciais, onze deles de prisão preventiva. Outros 14 são para obrigar pessoas a prestarem depoimentos e mais de 40 de busca e apreensão, como ocorreu no Diretório Nacional do PT. 

A investigação gira em torno de pagamentos de propina em um esquema envolvendo produtos de informática entre os anos de 2010 e 2015.

Publicidade

Especula-se que R$ 100 milhões tenham sido desviados. A prisão mais importante foi a de Paulo Bernardo, que foi Ministro do Planejamento. A detenção dele aconteceu no apartamento que mantem com sua mulher, a Senadora Gleisi Hoffmann (PT - PR), em Curitiba, no Paraná. Agentes ficaram algumas horas no local. Na hora da saída de Paulo, vizinhos do casal chegaram a bater palmas e gritar "bravo" por conta da ação da Polícia Federal.